Líderes europeus promovem campanha de financiamento de vacina contra o coronavírus

(Arquivo) Chanceler alemã, Angela Merkel

Os líderes europeus apoiaram a iniciativa de Bruxelas de arrecadar 7,5 bilhões de euros para encontrar uma vacina contra o novo coronavírus.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, esboçou na sexta-feira o plano de captação de recursos para pesquisas científicas para combater o COVID-19.

Uma conferência on-line sobre o assunto será realizada nesta segunda-feira.

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte; O presidente francês, Emmanuel Macron, e a chanceler alemã, Angela Merkel, apoiaram a iniciativa em uma carta aberta publicada nos jornais neste fim de semana.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e a primeira-ministra da Noruega, Erna Solberg, também assinaram a carta, na qual os líderes expressaram seu apoio à Organização Mundial da Saúde, que os Estados Unidos têm criticado fortemente por sua gestão de crises.

Os recursos arrecadados "estimularão uma cooperação global sem precedentes entre cientistas e reguladores, indústria e governos, fundações e profissionais de saúde", disseram os líderes.

No entanto, eles também alertaram que será necessário mais dinheiro para fabricar e distribuir medicamentos "disponíveis, acessíveis e acessíveis" em todo o mundo.

"Se pudermos desenvolver uma vacina produzida pelo mundo, para todo o mundo, este será um bem público global único para o século 21", acrescentaram.

- Urgência -

Reino Unido, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Noruega, Arábia Saudita e a Comissão Europeia sediarão a conferência juntos, que faz parte de uma campanha internacional de vários meses para arrecadar fundos, antes da Cúpula Mundial de Vacinas em 4 de junho.

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson, que está em tratamento intensivo há dez dias no COVID-19, disse que encontrar tratamento é "o esforço compartilhado mais urgente de nossas vidas".

Johnson confirmará a promessa do Reino Unido, que, segundo ele, investirá 388 milhões de libras (cerca de 441 milhões de euros) em pesquisa, teste e tratamento de vacinas, dentro do pacote de 744 milhões de libras (847 milhões de euros) para a luta global contra o vírus.

"Quanto mais unirmos forças e compartilharmos nossa experiência, mais cedo nossos cientistas terão sucesso. A corrida para descobrir uma vacina não é uma competição entre países, mas um esforço comum, o mais urgente de nosso tempo", afirmou Johnson.

Centenas de trabalhos de pesquisa estão em andamento em todo o mundo para encontrar uma vacina, a única maneira possível de retornar ao "normal", de acordo com a ONU.

Na quinta-feira, o laboratório farmacêutico britânico AstraZeneca anunciou uma colaboração com a Universidade de Oxford, pela qual empresa farmacêutica fabricará e distribuirá mundialmente uma possível vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pela universidade.