Líderes mundiais lamentam morte de Desmond Tutu: "Ele encontrava humanidade em seus adversários"

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama, o primeiro líder negro do país, chamou Tutu de "um mentor, um amigo e uma bússola moral", aberto para "encontrar humanidade em seus adversários". Obama, assim como Tutu, também ganhou o prêmio Nobel da Paz. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse que Tutu "será lembrado por sua liderança espiritual e bom humor irrepreensível". Líderes do mundo inteiro se uniram para prestar homenagens ao grande ícone da luta contra o apartheid.

Desmond Tutu morreu aos 90 anos neste domingo (26), na África do Sul.

"Um espírito universal, o arcebispo Tutu estava enraizado na luta pela libertação e pela justiça em seu próprio país, mas também preocupado com a injustiça em toda parte", disse o ex-presidente americano em um comunicado.

"Ele nunca perdeu seu senso de humor travesso e sua disposição de encontrar humanidade em seus adversários, e Michelle e eu sentiremos muita falta dele", continuou Obama em outro tuíte.

O atual presidente americano, Joe Biden, "com o coração partido", diz que o exemplo de Desmond Tutu "transcende fronteiras".

O Vaticano disse em um comunicado que o Papa Francisco estava entristecido e ofereceu "sinceras condolências a sua família e entes queridos".

"Ciente de seu serviço ao evangelho por meio da promoção da igualdade racial e da reconciliação em sua África do Sul natal, sua santidade entrega sua alma à misericórdia amorosa do Deus Todo-Poderoso."

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, manifestou sua solidariedade à família de Tutu, ao presidente Cyril Ramaphosa e ao povo sul-africano em geral.


Leia mais

Leia também:
Desmond Tutu, ícone da luta contra o apartheid, morre aos 90 anos na África do Sul

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos