López Obrador revisará pedido de 'El Chapo' para cumprir pena no México

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, disse, nesta quarta-feira (18), que revisará o pedido do traficante de drogas Joaquín "El Chapo" Guzmán para cumprir sua sentença no México, alegando sofrer um "tormento psicológico" na prisão em que está recluso nos Estados Unidos.

"Vamos revisar [o pedido]. Quando se trata de direitos humanos, há caminhos e há instâncias internacionais", disse o presidente mexicano em sua entrevista coletiva habitual.

López Obrador informou que o pedido, que foi remetido ao embaixador do México em Washington pelo advogado de El Chapo, José Refugio Rodríguez, já foi recebido pelo Ministério das Relações Exteriores.

"A gente só tem que ver [...] se a gente tem a possibilidade de fazer, se a gente tem o poder de fazer, mas a porta tem que ficar sempre aberta quando se trata de direitos humanos", acrescentou López Obrador.

A declaração do mandatário mexicano contradiz o que foi dito ontem por seu chanceler Marcelo Ebrard, que assinalou não ver possibilidades de atender o pedido, pois o antigo líder do cartel de Sinaloa já foi condenado nos Estados Unidos.

O advogado Rodríguez confirmou hoje para a AFP que o seu objetivo é fazer com que El Chapo "retorne ao México para ser julgado pelos processos penais que tem" pendentes e para cumprir sua condenação em uma prisão local, atendendo a um convênio penitenciário entre México e Estados Unidos.

O defensor acrescentou que apresentará formalmente o pedido escrito ao MRE "nas próximas semanas", mas destacou que López Obrador "já adiantou" que estudará o caso.

"Vamos submeter tudo à consideração" do presidente, disse Rodríguez.

Além disso, ele explicou à emissora de televisão local Milenio que o fato de El Chapo ter fugido em duas ocasiões, em 2001 e 2015, de prisões mexicanas não é um fator "limitante" para solicitar sua transferência.

Rodríguez alega que seu cliente sofre com duras condições carcerárias, como o isolamento de outros presos, a impossibilidade de se comunicar em espanhol e não ter "visto o sol" em seis anos.

O pedido de El Chapo ocorre depois que autoridades mexicanas capturaram, em 5 de janeiro, Ovidio Guzmán, um de seus filhos e herdeiro de parte de seu império do crime, em uma operação que deixou 29 mortos.

Guzmán foi considerado culpado nos Estados Unidos de narcotráfico, lavagem de dinheiro e uso de armas de fogo. Em julho de 2019, foi sentenciado à prisão perpétua, que cumpre na penitenciária de segurança máxima ADX Florence, no deserto montanhoso do Colorado.

jg-jla/gm/rpr/am