Laboratório chinês pede à Anvisa uso emergencial de vacina contra Covid-19 de dose única

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA (Reuters) - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária informou nesta quarta-feira ter recebido um pedido de autorização temporária para uso emergencial de uma vacina em dose única contra Covid-19 desenvolvida pelo laboratório chinês CanSino Biologics.

Em comunicado, o órgão regulador brasileiro disse ter recebido a demanda na terça às 23h26 da empresa Belcher Farmacêutica, representante do laboratório CanSino Biologics no Brasil, e que a análise da documentação já foi iniciada para avaliar a liberação do imunizante.

A Anvisa disse que deve se manifestar em até sete dias úteis, se todos os requisitos legais para o pedido tiverem sido cumpridos pela empresa solicitante. Por ora, a agência faz um pente-fino sobre se todas as informações para avaliação do órgão foram apresentadas.

O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, usou sua conta no Twitter para comentar o pedido. "A vacina Cansino, eficaz com só uma dose, está sendo aplicada na China. O laboratório chinês Cansino já entrou em contato com Min. da Saúde e apresentou o pedido à Anvisa para autorização de uso emergencial no Brasil. A China está comprometida em continuar e ampliar a parceria de vacinas com o Brasil", informou.

Se for autorizada, essa será a segunda vacina criada na China contra o Covid-19 em uso no país. Antes dela, foi autorizado o uso da CoronaVac, do laboratório Sinovac, que tem como parceiro no Brasil o Instituto Butantan, ligado ao governo de São Paulo.

O Brasil também está usando as vacinas da AstraZeneca e da Pfizer no enfrentamento à pandemia.

ENCONTROS

A Anvisa informou ainda que, antes de o pedido ter sido apresentado, já tinha se reunido por duas vezes em março com representantes do laboratório chinês.

"O imunizante da CanSino, que é produzido a partir de um adenovírus humano não replicante, foi desenvolvido em parceria com a Academia de Ciências Médicas Militares da China. A vacina é oferecida em apenas uma dose", disse.

"Os ensaios clínicos da Convidecia (nome do imunizante) foram desenvolvidos no Paquistão, na Rússia, no Chile, na Argentina e no México. Os dados desses estudos serão analisados pela Anvisa", acrescentou.

Em nota, o ministério informou que acompanha o desenvolvimento de diversos imunizantes que podem ser adquiridos de forma imediata para a vacinação da população brasileira contra a Covid-19.

"O governo federal conversa com laboratórios que têm registro de autorização da Anvisa para o uso da vacina no país", disse o ministério.

(Reportagem de Ricardo Brito)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos