Ladrões de porta com obra de Banksy, em homenagem a vítimas dos ataques de 2015 em Paris, são condenados

A justiça francesa condenou nesta quinta-feira oito homens a até dois anos de prisão pelo roubo em 2019 de uma obra de Banksy, feita numa porta da casa de shows Bataclan, em Paris, onde foi registrado o maior número de mortes nos ataques jihadistas em novembro de 2015, que deixaram 130 mortos. A imagem de uma jovem triste faz homenagem às vítimas daquele atentado. A porta de metal foi encontrada na Itália um ano depois do crime.

Atentados de 2015 em Paris: MP francês pede prisão perpétua para principais acusados

Prometeu lealdade ao Estado Islâmico: Principal acusado dos atentados de Paris em 2015 nega ter matado ou ferido alguém

Quem é Salah Abdeslam: O garoto que gostava de festas e esportes antes de se tornar terrorista

Um tribunal de Paris condenou um dos três indivíduos que admitiram o roubo a quatro anos de prisão e os outros dois a três anos de prisão, metade obrigatória nos três casos. No entanto, diferentemente do que pediu o Ministério Público francês, para que o cumprimento da parte obrigatória fosse na prisão, os três homens, que têm cerca de 30 anos, poderão cumprir a pena com pulseira eletrônica.

A justiça impôs 10 meses de prisão a três homens por participarem do transporte da obra. O único italiano julgado — os restantes são franceses — foi condenado a seis meses de prisão com pena suspensa, por guardar o Banksy num hotel italiano.

Outro homem, de 41 anos, a quem a acusação considerou como o mandante do roubo, foi condenado a três anos de prisão, incluindo 20 meses de cumprimento obrigatório de pulseira eletrônica, por esconder a porta.

A decisão vem seis dias antes do veredicto ser conhecido no julgamento dos autores dos ataques jihadistas de novembro de 2015.

O roubo

Os eventos remontam a 26 de janeiro de 2019. Pouco depois das 4h da manhã, uma van branca parou perto da porta lateral pela qual os sobreviventes do ataque Bataclan fugiram em 2015.

Três homens mascarados desceram do veículo, cortaram as dobradiças com ferramentas elétricas acionadas por um gerador e, em menos de 10 minutos, saíram com a obra protegida por acrílico.

O roubo deste "símbolo de recolhimento e de pertença a todos, vizinhos, parisienses, cidadãos do mundo" indignou os responsáveis ​​pelo teatro.

Os investigadores reconstituíram gradualmente a operação dos ladrões e conseguiram encontrar a porta em uma fazenda em Sant'Omero, uma cidade no centro da Itália, em 10 de junho de 2020.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos