Lamento que o PSB submeta Lula a tamanho constrangimento em PE, diz Marilia

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - A pré-candidata ao governo de Pernambuco Marília Arraes (SD) afirmou nesta quarta-feira (20), por meio de sua assessoria, que "lamenta que o PSB submeta Lula a tamanho constrangimento" em ato em que o ex-presidente saiu em defesa dos pessebistas Danilo Cabral, adversário da ex-petista na disputa estadual, e do governador Paulo Câmara, ambos vaiados em Garanhuns.

"Os fatos e o apelo popular por seu nome durante o evento da Frente Popular, na cidade, falam por si", disse a ex-petista, sobre o evento no qual militantes vaiaram o deputado federal Danilo Cabral (PSB), nome do partido para disputar o governo do estado.

Lula esteve em sua terra natal como parte da viagem de campanha por Pernambuco, que tem também como objetivo turbinar a candidatura do deputado federal Cabral. No estado, o nome de Luiz Inácio Lula da Silva é mais ligado ao de Marília Arraes, que desponta nas pesquisas de intenção de voto.

Câmara e o prefeito recifense, João Campos (PSB), foram vaiados pela maioria dos presentes já ao subirem ao palco. Cabral foi vaiado por uma parte e aplaudido por outra. Lula chegou a ir ao lado do governador para tentar amenizar, mas o clima seguiu durante todo o ato.

Quando Cabral pegou o microfone, a militância do PSB, à beira do palanque, começou a gritar seu nome enquanto parte de trás, de maioria de petista —alguns com bottons da Marília—, vaiava.

"Aqui não tem ajuntamento de projetos pessoais e de ressentidos. Aqui tem um projeto político, aqui tem um time que tá entrando em campo e tem uma história. Aprendi, na política, que as pessoas têm que ter lado, têm que saber o lado certo da história", cutucou Cabral.

Constrangido, Lula —sempre último a falar— abriu seu discurso reafirmando que tinha apenas um nome em Pernambuco, Danilo Cabral, e deixou claro que este era o acordo com o PSB.

"Nós não precisamos professar a mesma religião, nós não precisamos gostar da mesma praia, precisamos gostar do ser humano, respeitar a diversidade. Por isso, tinha que vir aqui dizer que tenho candidato em Pernambuco e ele se chama Danilo Cabral", completou o ex-presidente. Ainda assim, parte da militância seguiu chamando por Marília.

O apoio de Lula a Cabral foi a principal imposição do partido fundado pelo ex-governador Miguel Arraes, avô de Marília e João Campos, para se juntar a Lula com o ex-governador Geraldo Alckmin (PSB) como vice. Desde então, o PT tem feito diversos esforços para popularizar o deputado junto à militância.

Insatisfeita, Marília migrou para o Solidariedade em abril e lançou sua pré-candidatura, mas seguiu vinculando seu nome ao de Lula —o que irrita o PSB. Apoiadora fiel de longas datas, a ex-petista tem aparecido em eventos com Lula —na semana passada, em São Paulo, ela chegou a abraçar e tirar foto com Lula e Alckmin.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos