Lançamento do Artemis I da NASA pode mudar o futuro da humanidade

NASA administrator Bill Nelson takes part in an interview before the scheduled launch of the Artemis 1 rocket at the Kennedy Space Center, Wednesday, Aug. 24, 2022, in Cape Canaveral, Fla. The launch is scheduled for Monday morning Aug 29. (AP Photo/John Raoux)
NASA administrator Bill Nelson takes part in an interview before the scheduled launch of the Artemis 1 rocket at the Kennedy Space Center, Wednesday, Aug. 24, 2022, in Cape Canaveral, Fla. The launch is scheduled for Monday morning Aug 29. (AP Photo/John Raoux)
  • Liderança da NASA está entusiasmada com novo projeto;

  • Programa vê um lançamento a Marte até 2040;

  • Público americano não parece ter noção do escopo do avanço tecnológico possível, afirmou especialista.

A NASA está a algumas semanas de lançar o primeiro voo teste não tripulado do programa Artemis, que tem como objetivo levar humanos de volta à Lua dentro dos próximos 10 anos. Marcado para o dia 29, o lançamento do foguete está animando os líderes da agência.

“Prepare-se para Artemis I – estamos indo!”, disse o administrador da NASA, Bill Nelson, depois do foguete chegar na plataforma de lançamento nesta terça-feira.

Ainda assim, o entusiasmo não parece estar sendo compartilhado pelo público geral. “A maior parte dos Estados Unidos não está prestando atenção ao plano da NASA de devolver humanos à Lua”, disse Laura Forcyzk, fundadora da empresa de análise espacial Astralytica.

Artemis I é apenas o começo de um projeto muito maior, de acordo com Forcyzk. Por enquanto o voo não tripulado irá apenas realizar medições e observações. Mas após concluída, a NASA planeja completar a Artemis II até maio de 2024, que verá quatro astronautas percorrerem o mesmo trajeto de Artemis I ao redor da Lua.

Em 2025, Artemis III verá a Nasa pousar os primeiros humanos na Lua desde a década de 1970, incluindo a primeira mulher e pessoa de cor. Várias gerações de pessoas, millennials, geração Z e a próxima geração alfa, nunca viram um ser humano pisar em outro mundo, observa Forczyk.

A Nasa continuará a voar em missões Artemis adicionais até o final da década de 2020, eventualmente construindo uma estação espacial em órbita lunar e postos avançados no Pólo Sul da Lua.

É um programa projetado para testar tecnologias e estratégias operacionais que a Nasa deseja desenvolver para futuras missões planetárias, como uma missão tripulada a Marte em algum momento da década de 2040.

Mas as grandes visões das missões Artemis posteriores e a eventual missão humana a Marte dependem de um voo de teste Artemis I bem-sucedido. É possível que algo possa dar errado, mas Forczyk não acha que seja provável.

"Todos os olhos estão no programa", disse ela. “A NASA é uma agência governamental conhecida e popular, mas também muito criticada no que diz respeito ao quanto gasta. E assim, quando todos os olhos estão voltados para isso, você precisa justificar essas despesas. Você quer garantir que os políticos e o público saibam que seus dólares de impostos vão ter bons resultados.”