Landim emite carta aberta e diz que 'alguns pretendem implantar intolerância política' no Flamengo


O encontro entre representantes do Flamengo, incluindo o mandatário Rodolfo Landim, e Jair Bolsonaro, presidente do Brasil, causou polêmica e debates nas redes sociais e opinião pública, tanto no âmbito político quanto esportivo, já que o país se encontra em meio a casos crescentes do novo coronavírus e o Rubro-Negro almeja a volta dos jogos o mais breve possível.

E, nesta segunda-feira, Landim se posicionou sobre o assunto.

Em carta aberta à torcida, publicada no site oficial do Flamengo, Rodolfo Landim afirma que "alguns pretendem implantar intolerância política" no clube. E realçou:

- Entendo que meu papel como presidente do Clube é o de defender seus interesses e para isso é necessário me relacionar com autoridades. Para mim, não importa a orientação política delas. Busco a todas no sentido de conseguir os apoios que precisamos para melhorar continuamente o nosso Flamengo.

Em tempo: além de Landim, Alexandre Campello, presidente do Vasco, também esteve reunido com Bolsonaro, na última semana, em Brasília, em prol da volta das atividades no futebol.

Confira a carta de Rodolfo Landim na íntegra:

"Nação Rubro-Negra,

O que está escrito nessa carta é o retrato de como eu vejo o Flamengo.

Somos torcedores de todas as raças e credos, irmanados por uma única paixão.

Infelizmente, nosso país anda doente. Não falo da COVID-19, mas dessa intolerância política de parte a parte que separa até mesmo famílias e que, infelizmente, alguns pretendem implantar também no nosso Clube. O sentimento que nos une é amor e não ódio.

Entendo que meu papel como presidente do Clube é o de defender seus interesses e para isso é necessário me relacionar com autoridades.

Para mim, não importa a orientação política delas. Busco a todas no sentido de conseguir os apoios que precisamos para melhorar continuamente o nosso Flamengo.

Ao longo da minha gestão, tive inúmeros contatos com o prefeito, o governador e o presidente da república.

No Legislativo, estivemos com os presidentes da Câmara dos Vereadores, Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e Senado, sempre discutindo projetos de interesse de nosso Clube.

Só como exemplo de total isenção, na inauguração de uma das novas piscinas do Flamengo conseguimos colocar lado a lado, hasteando bandeiras, o vice-governador Claudio Castro e o líder da oposição no Congresso Nacional, Alessandro Molon. Por sinal, são dois grandes rubro-negros, como também são o presidente da Assembleia Legislativa do RJ, André Ceciliano (PT), e o vice-presidente da república, Hamilton Mourão, dois outros importantes representantes do povo que estão sempre abertos a nos ouvir e ajudar.

O Flamengo é mais que um Clube, ele é uma Nação e como tal deve ser plural.

É impensável para mim, na posição de líder de uma instituição democrática como o nosso Clube, deixar de discutir problemas e interesses dela com o presidente eleito democraticamente do país.

Obviamente, o cidadão Rodolfo Landim tem suas convicções políticas pessoais, mas posso garantir que as guardo para mim e em nada deixo-as interferir na atuação do presidente do Flamengo. Este, por dever de ofício, deve se relacionar igualmente com todas as autoridades, respeitando a vontade do povo que as elegeu. É assim que funcionam as democracias.

Podem estar certos de que continuarei agindo dessa forma durante o meu mandato, sempre com o único propósito de defender o interesse do nosso Flamengo.

Abraços e saudações rubro-negras."