Larry Flynt, magnata da pornografia, morre aos 78 anos

·1 minuto de leitura
O magnata da indústria pornô e editor da revista masculina Hustler Larry Flynt posa em sua casa em Los Angeles em junho de 2014

O magnata americano da pornografia Larry Flynt, mais conhecido como editor da revista Hustler e um ardente defensor da liberdade de expressão, morreu nesta quarta-feira (10) em sua casa em Los Angeles aos 78 anos, segundo relatos da imprensa americana citando sua família.

Seu irmão, Jimmy Flynt, confirmou a morte ao Washington Post, mas não citou uma causa específica. O portal de celebridades TMZ, que deu a notícia em primeira mão, disse que Flynt morreu de insuficiência cardíaca.

Flynt lançou em 1974 sua revista pornográfica "Hustler" para competir com a "Playboy", que considerava "antiquada", com fotos muito explícitas e um tom deliberadamente escandaloso.

Em seguida, construiu seu império com outras publicações, estúdios especializados em filmes pornô e sites na internet.

Em 2000, o empresário abriu um cassino "Hustler" no subúrbio de Los Angeles, onde morou por muito tempo.

Em uma cadeira de rodas folheada a ouro desde que foi vítima de uma tentativa de homicídio em 1978, o manata se permitiu em outubro de 2017 um último golpe de efeito, ao oferecer, em um anúncio de página inteira no Washington Post, 10 milhões de dólares a quem lhe fornecesse qualquer informação que levasse ao julgamento político de Donald Trump.

Era seu "dever patriótico", afirmou certa vez este homem acostumado a polêmicas e julgamentos, que construiu sua fama e fortuna na provocação.

Não foi a primeira vez que ele se envolveu em temas políticos. Em 1998, para apoiar o então presidente Bill Clinton, enrolado com o caso Monica Lewinsky, conseguiu marginalizar vários legisladores envolvidos em escândalos sexuais, revelados por sua revista.

amz-ec/dw/lda/am/mvv