Lasso e Moreno festejam em meio a resultados de pesquisas contraditórios

Quito, 2 abr (EFE).- Os candidatos à presidência do Equador Guillermo Lasso e Lenín Moreno se apressaram para comparecer em público neste domingo para comentar os diferentes resultados das pesquisas de boca de urna que os colocam vencedores das eleições.

Lasso, do movimento Criando Oportunidades (CREO), conseguiu 53,02% dos votos nas eleições presidenciais, à frente dos 46,98% de Moreno, segundo a pesquisa de boca de urna realizada por Cedatos e transmitida pela emissora "Teleamazonas".

A Perfiles de Opinión indicou através da emissora "TC Televisión" que o vencedor é Moreno, do movimento governista Aliança País (AP), com 52,2%, acima dos 47,8% de Lasso.

O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) prevê divulgar os primeiros resultados oficiais da apuração por volta das 20h (hora local; 22h em Brasília).

Instantes após a divulgação dos dados de ambas as pesquisas, Lasso compareceu perante os correligionários e repetiu algumas promessas de campanha, como a de derrubar a lei de comunicação e deter a "perseguição" aos "perseguidos políticos". Reunido com partidários em um hotel na cidade de Guayaquil, Lasso disse que "a democracia e os cidadãos equatorianos venceram".

"Ganharam vocês, ganhou o Equador. Hoje (domingo) nasceu o novo Equador, o Equador da democracia, o Equador da liberdade", comentou Lasso.

De acordo com o candidato opositor, ficam "para trás aquelas páginas negras de ódio entre equatorianos, da divisão entre equatorianos", e os cidadãos viverão agora em um "Equador de união".

Ao aparecer em público, Moreno disse que se sente "muito emocionado" e que há "uma explosão de emoções" em seu coração.

"Obrigado aos milhões de equatorianos que nos apoiaram. Hoje ganhou a democracia, hoje ganhou o Equador", escreveu no Twitter após ir a público para afirmar que possui dados muito confiáveis que o concedem uma ampla vantagem, mas que vai esperar para saber os resultados oficiais.

"Os dados são claros, são os dados que nós temos, completamente confiáveis. Temos uma vantagem muito, muito considerável. De todas as formas, sempre manifestamos ser extremamente respeitosos com as instituições. Assim fizemos depois do dia 19 de fevereiro", disse, em referência ao primeiro turno.

O presidente equatoriano, Rafael Correa, ressaltou a diferença entre os dados das duas pesquisas de boca de urna.

"Infelizmente, duas pesquisas dão resultados absolutamente contraditórios. Enquanto isso, vamos manter a calma, a união e a paz", publicou no Twitter o governante, que ressaltou que "estatisticamente isto é impossível". EFE