Laudo confirma que corpo encontrado em lago é de jovem desaparecido no ABC paulista

ALFREDO HENRIQUE
SANTO ANDRÉ, SP, 14.11.2019 - PROTESTO-SP - Cartaz com a foto de Lucas Eduardo Martins dos Santos, de 14 anos, desaparecido no dia 13. Moradores colocam fogo em pneus na avenida São Bernardo, na comunidade da Vila Luzita. (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um exame de DNA confirmou nesta quinta-feira (28) que o corpo encontrado no início da manhã do último dia 15, em um lago no Parque Natural Municipal de Pedroso, em Santo André (ABC), é de Lucas Eduardo Martins dos Santos, de 14 anos. 

O jovem desapareceu por volta da 0h10 do dia 13, quando saiu para comprar um refrigerante, também em Santo André. Parentes do garoto acusam policiais militares pelo sumiço. A PM afastou dois agentes preventivamente enquanto o caso é investigado. 

A reportagem apurou que a causa da morte do garoto ainda não foi confirmada oficialmente pelo IML (Instituto Médico Legal). Porém, segundo policial envolvido nas investigações, a suspeita é a de que o menino tenha sido afogado. 

O ouvidor das polícias, Benedito Mariano, afirmou que, com a confirmação de que o corpo encontrado é de Lucas, as investigações devem se concentrar sobre a forma como o jovem foi raptado e em seguida morto. "Estamos aguardando mais um laudo de sangue encontrado em uma viatura [da PM]. A corregedoria da PM avocou o caso a pedido da Ouvidoria e temos confiança na apuração do órgão corregedor da PM que investiga indícios de participação de policiais militares na morte do garoto Lucas", afirmou. 

O corpo de Lucas foi encontrado somente de cueca, boiando de barriga para baixo, às margens do lago. Um policial afirmou na ocasião, em condição de anonimato, que o cadáver não apresentava sinais de violência.  

Para a realização do exame, foram coletadas amostras de DNA do pai e de um dos irmãos de Lucas para serem confrontadas com o material genético do corpo encontrado no lago.

O Agora apurou que a Polícia Científica coletou sangue humano dentro de uma viatura da PM, no dia em que Lucas desapareceu. O material foi encaminhado para ser também confrontado com as amostras de DNA coletadas dos parentes do jovem desaparecido. As análises ainda não foram concluídas. 

A viatura passou por perícia após parentes de Lucas reconhecerem um policial que supostamente estaria envolvido no desaparecimento do jovem.  

Resposta  À época do crime, a PM instaurou um procedimento para apurar o caso e, preventivamente, afastou do serviço operacional dois agentes que foram apontados por testemunhas como supostos participantes da abordagem ao garoto. 

A corporação e a SSP (Secretaria da Segurança Pública), sob gestão João Doria (PSDB), foram questionadas sobre o atual andamento da investigação e medidas tomadas sobre os PMs suspeitos. Ambas não se manifestaram até a publicação desta reportagem.