Laudo indica que bala que matou Ágatha Felix seria de fuzil

Pais de Ágatha Félix negam que teria havido confronto no momento da morte da jovem - Foto: REUTERS/Pilar Olivares

Um laudo do Instituto de Criminalística Carlos Éboli sinalizou que um fragmento de bala encontrado no corpo da menina Ágatha Félix, 8 anos, é “adequado ao tipo fuzil”. A garota foi morta no Complexo do Alemão na última sexta-feira (20). As informações são do Portal G1.

No documento, o instituto afirma que a bala está amassada e que não existem elementos técnicos para “determinar o calibre nomimal, número de direcionamento das raias, bem como microvestígios de valor criminalístico, fato que torna inviável o exame microcomparativo”.

Leia também

Ainda segundo o G1, por alguma questão técnica, o tipo de calibre da bala que atingiu Ágatha não pode ser definido. Assim, não será possível fazer a comparação com as armas da Polícia Militar que foram recolhidas para serem periciadas.

Laudo indica que bala que atingiu Ágatha Félix, 8 anos, seria de um fuzil - Foto: Reprodução

O IML indica, por meio de outro laudo, que a menina levou um tiro nas costas e que morreu com lacerações no fígado, rim e vasos do abdômen.

Em depoimento prestado para a Polícia Civil, os PMs que atuavam no Complexo do Alemão no último dia 20 afirmaram que dispararam ao menos duas vezes para se defenderem de tiros disparados por criminosos. Tanto os pais da garota como o motorista do veículo onde Ágatha estava afirmam que não houve troca de tiros quando a menina foi baleada.

Ao menos 12 PMs foram interrogadores. Integrantes do grupo de militares afirmaram que foram alvejados por um bandido que viajava na garupa de uma moto. E, a partir daí, se deu o início do confronto que vitimou a garota.