Laudo pericial mostra que mecânico atingido ao passear com cachorro foi morto com tiro no tórax

O laudo pericial do corpo do mecânico de refrigeração, Antônio Carlos de Lima da Conceição, de 58 anos, morto na última terça-feira após ser baleado enquanto levava o cachorro para passear, no Engenho Leal, foi emitido pelo Instituto Médico Legal (IML-Rio), na tarde de quarta e entregue à família. O EXTRA teve acesso ao documento que confirma que Antônio foi morto com um tiro no tórax. A declaração de óbito confirma que o mecânico teve um "ferimento transfixante no tórax com hemorragia interna".

Apesar de o laudo ter sido emitido, o corpo de Antônio ainda não foi liberado. Segundo Diego Lima, filho da vítima, o sepultamento está marcado para esta quinta-feira no Cemitério de Inhaúma. O velório será a partir das 13h.

A Polícia Civil instaurou um inquérito para apurar a autoria do disparo que matou o mecânico. Em nota, a Polícia Militar afirmou que, na terça-feira, policiais do 9º BPM (Rocha Miranda) faziam uma operação no complexo da Serrinha para localizar criminosos que atuam com roubos de cargas e veículos na região. Durante a operação, houve um intenso tiroteio.

– Espero que a Justiça seja feita e que a morte do meu pai não passe impune. Ele estava andando perto de casa e morreu. Estamos arrasados, mas eu espero que o culpado seja preso – desabafou Diego.

Ele conta que estava trabalhando quando recebeu a notícia de que o pai teria sido vítima de bala perdida. Ele ficou surpreso, já que o bairro onde o pai morava há mais de 30 anos, Engenheiro Leal, fica a cerca de dois quilômetros da comunidade da Serrinha.

— Meu pai estava perto de casa e tomou um tiro no braço que o matou. Até quando isso vai acontecer? Não temos segurança na rua e nem na porta de casa. O bairro que ele mora é tranquilo, foi a primeira vez que alguém de lá foi vítima de tiro. Eu quero que o responsável pague pelo que fez com meu pai, seja bandido ou policial — desabafou Diego.