Governo ainda decide se aceitará oferta de R$ 500 milhões da Lava Jato para combater coronavírus

·2 minuto de leitura
Ministério da Saúde, que ainda não atendeu ao pedido feito pela juíza Gabriela Hardt, é comandado interinamente pelo general Eduardo Pazuello - Foto: REUTERS/Adriano Machado
Ministério da Saúde, que ainda não atendeu ao pedido feito pela juíza Gabriela Hardt, é comandado interinamente pelo general Eduardo Pazuello - Foto: REUTERS/Adriano Machado

A força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba (PR) ofereceu mais de R$ 500 milhões ao governo federal para auxiliar no combate à pandemia do novo coronavírus. Apesar da sugestão ter sido feita há mais de um mês, ainda não houve resposta do governo de Jair Bolsonaro (sem partido). As informações são da TV Globo.

Segundo a emissora, a verba de exatamente R$ 508 milhões é proveniente de acordos de leniência firmados com a Lava Jato. Empresas que praticaram desvios de recursos públicos, admitiram o crime e pagaram multas.

Leia também:

A juíza federal Gabriela Hardt, ainda no dia 21 de maio, informou a Braga Netto, ministro da Casa Civil e coordenador do Comitê de Crise para Supervisão e Monitoramento dos Impactos da Covid-19, que existe a "disponibilidade de valores depositados neste juízo de R$ 21.681.374,13 que podem chegar a até R$ 508.785.381,95 para destinação ao enfrentamento à pandemia".

Na sequência, ela solicitou ao ministro a indicação de órgãos ou instituições públicas, hospitais e entidades ligadas ao poder público, além de condições necessárias para a destinação do montante exclusivamente para combater o avanço da pandemia no país.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Sem resposta, a magistrada repetiu o pedido no dia 17 de junho. A Casa Civil então, segundo a emissora, teria respondido apenas que recebera os ofícios enviados pela juíza.

Questionada pela TV Globo, a Casa Civil diz que responder as solicitações de Gabriela Hardt seria função do Ministério da Saúde, chefiado interinamente pelo general Eduardo Pazuello.

No dia seguinte, dia 18 de junho, a pasta comandada por Pazuello informou que estava “analisando a oferta".

Nesta segunda-feira (06), o Ministério da Saúde informou que precisa de mais tempo para saber se a oferta já foi aceita. Enquanto isso, a Justiça Federal em Curitiba não recebeu nenhuma resposta formal do governo e o dinheiro está parado em uma conta judicial.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.