Lava Jato: justiça autoriza leilão de hotel de Alberto Youssef

Claudio Tognolli

 

Imóvel estava em nome de empresa pertencente ao doleiro 

27/10/2015 – Brasília – DF – Doleiro Alberto Youssef depõe na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Fundos de Pensão. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Após autorização da 13.ª Vara Federal Criminal de Curitiba, três lotes remanescentes de um imóvel bloqueado judicialmente durante as investigações da Operação Lava Jato serão leiloados no próximo dia 26 de abril. Trata-se de um empreendimento hoteleiro denominado de Web Hotel Salvador, pertencente à GFD Investimentos Ltda, e que estava em nome do doleiro Alberto Youssef.

O imóvel tem 3.789 metros quadrados de área construída sobre um terreno de área de 9.246,31 metros quadrados, além do mobiliário de 120 unidades e das áreas de serviço e administrativas. O Web Hotel Salvador faz parte do “Condomínio Alfazema´´, localizado na cidade de Salvador (BA).

Deduzido o percentual já arrematado (fração originária – 37,23%), o remanescente para alienação monta a 12%, fracionado em três lotes, cada um com 4% do total do imóvel. No primeiro leilão, o valor mínimo para a venda dos lotes apregoados será o da avaliação judicial – R$ 418.194,06. Lote 2.5 – parte ideal de 4% do imóvel – R$ 418.194,06; Lote 2.6 – Parte ideal de 4% do imóvel – R$ 418.194,06 e Lote 2.7 – Parte ideal de 4% do imóvel – R$ 418.194,06. Em caso de segundo leilão, o valor mínimo para a venda dos lotes do bem corresponderá a 50% do valor da avaliação judicial – R$ 207.097,03.

Os leilões serão realizados por meio eletrônico, por meio do portal www.marangonileiloes.com.br. No mesmo site estão disponíveis as fotos e a descrição detalhada dos lotes do imóvel a serem apregoados. O leilão será realizado no dia 26 de abril de 2017, a partir das 14h e, caso não haja arrematação do imóvel, haverá uma segunda praça no dia 10 de maio de 2017, a partir das 14h.

Constitui ônus dos interessados examinarem os lotes do imóvel a serem leiloados. As visitas, quando autorizadas, deverão ser agendadas via e-mail marangonileiloes@marangonileiloes.com.br.

O arrematante deverá efetuar o pagamento do preço do bem arrematado, deduzido o valor da caução ofertada, se o caso, no prazo de até 72 horas a contar do encerramento da praça/leilão, por meio de guia de depósito judicial em favor do Juízo responsável, sob pena de se desfazer a arrematação. O valor arrecadado com a venda será depositado em conta judicial.

Os lances poderão ser ofertados pela Internet, através do portal www.marangonileiloes.com.br, em igualdade de condições.

Para você entender um pedacinho disso: a ex-contadora de Youssef, Meire Poza, disse que só percebeu a natureza ilegal dos negócios de Youssef quando recebeu ordens do doleiro para fazer um contrato pelo qual a empreiteira Mendes Júnior pagaria R$ 2,6 milhões à GDF Investimentos (de propriedade de Youssef), a título de consultoria sobre a viabilidade de plataformas de petróleo. “Era só simulação para receber dinheiro. A GDF só tinha que fornecer os contratos”.