Lava-Jato mira suspeitos de desviar R$ 3,9 milhões em compras superfaturadas na área de saúde do Rio

RIO - O Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (Gaecc), do Ministério Público do Rio, em parceria com o Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal realizam, nesta quinta-feira, mais uma etapa da operação Lava-Jato. Dessa vez, os alvos são suspeitos de integrar uma organização criminosa que desviou R$ 3,9 milhões dos cofres públicos em compras superfaturadas na área de saúde. Um dos alvos, o empresário Mário Miranda, foi preso em Angra dos Reis, na Costa Verde, informou o "Bom Dia Rio", da TV Globo. Ele é dono de empresas que têm contratos com as gestões de Sérgio Cabral e Wilson Witzel. Ele também é fornecedor do governo federal.