Lava Jato cumpre mandados de prisão por propina paga a 2 ex-ministros

(Foto: REUTERS/Nacho Doce)

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quarta-feira (21) a 63ª fase da Operação Lava Jato, denominada “Carbonara Chimica”. Um mandado de prisão contra um ex-executivo da Odebrecht já foi cumprido, em São Paulo, e uma segunda ordem de prisão, para o advogado Nilton Serson, ainda aguarda execução.

SIGA O YAHOO NOTÍCIAS NO INSTAGRAM

SIGA O YAHOO NOTÍCIAS NO FLIPBOARD

Além disso, a operação ainda possui 8 mandados de busca e apreensão. Os policiais também cumprem dois mandados de busca e apreensão na Bahia.

Leia também

Um dos alvos já preso nesta operação é Maurício Ferro, ex-diretor jurídico e cunhado de Marcelo Odebrecht. Os presos serão levados para a sede da Polícia Federal em São Paulo e, posteriormente, para a superintendência do Paraná, onde serão interrogados.

A investigação indica que o Grupo Odebrecht fazia pagamento de propina periódica a dois ex-ministros Antonio Palocci e Guido Mantega. Os valores eram contabilizados em uma planilha denominada “Programa Especial Italiano”.

Os investigados eram identificados como “Italiano”, apelido atribuído a Palocci, e “pós-Itália”, codinome que seria de Mantega.

Com a propina, eram aprovadas medidas provisórias, como um refinanciamento de dívidas fiscais que permitiria a utilização de prejuízos fiscais das empresas como forma de pagamento.

“Há indicativos de que parte dos valores indevidos teria sido entregue a um casal de publicitários como forma de dissimulação da origem do dinheiro”, informou a Polícia Federal.

Os mandados foram expedidos pela 13ª. Vara Federal de Curitiba. Foi determinada ordem judicial de bloqueio de ativos financeiros dos investigados, no valor de R$ 555 milhões.

por Agência Brasil