Legisladores dos EUA prestes a votar colossal plano de bem-estar social de Biden

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
O presidente americano, Joe Biden, enfrenta ventos desfavoráveis com o aumento dos preços da gasolina e dos alimentos (AFP/MANDEL NGAN)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Os legisladores americanos estão prestes a votar o colossal programa de reformas sociais e do meio ambiente do presidente Joe Biden nesta quinta-feira (18), o que impulsionaria o projeto do democrata de transformar o país, após a vitória da aprovação de seu plano de infraestrutura.

A Câmara de Representantes aprovou no começo deste mês o projeto de lei bipartidário de infraestrutura de 1,2 trilhão de dólares, o maior pacote de obras públicas dos Estados Unidos desde que Dwight Eisenhower criou o sistema de rodovias interestaduais em 1956.

Os democratas na Câmara Baixa estão em vias de seguir por este caminho e também aprovar o pacote de "infraestrutura humana" de 1,75 trilhão de dólares ainda na noite desta quinta-feira. No entanto, enfrentam ventos desfavoráveis em meio ao aumento dos preços da gasolina e dos alimentos.

A presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, disso aos jornalistas no Congresso que a votação sobre a aprovação final, "com sorte, acontecerá nesta tarde" de quinta-feira.

O plano, apelidado de "Build Back Better" (Reconstruir melhor), é "uma visão espetacular do futuro, uma ação transformadora e histórica em matéria de saúde, atenção familiar e clima, que representará uma diferença significativa na vida de milhões de americanos", disse a presidente da Câmara de Representantes, a democrata Nancy Pelosi, em carta endereçada a seus membros.

"Criará milhões de postos de trabalho bem remunerados, reduzirá os gastos para as famílias e cortará seus impostos, ao mesmo tempo em que fará com que os mais ricos e as grandes empresas paguem sua parte justa".

Mas a preocupação com a espiral do custo de vida ofuscou a vitória legislativa do presidente, que percorre os Estados Unidos promovendo seu gigantesco plano de melhorias de rodovias e pontes.

A inflação anual subiu para 6,2% no mês passado, dando aos republicanos mais um argumento para atacar Biden em sua tentativa de recuperar as duas câmaras do Congresso nas eleições de meio de mandato do ano que vem.

- Caminho acidentado -

Os democratas da Câmara de Representantes, que não podem se dar ao luxo de perder mais de três membros se quiserem vencer qualquer votação, demonstram otimismo em relação à sua capacidade de superar as disputas internas que turvaram o debate sobre o "Build Back Better" durante meses.

Um punhado de democratas de centro queria uma análise completa do Escritório de Orçamento do Congresso (CBO) para esclarecer o preço do pacote antes de aceitar o voto.

Contudo, o CBO emitiu um comunicado afirmando que esperava completar esse trabalho "esta tarde", aumentando a probabilidade de uma votação ainda nesta quinta-feira.

Antes de chegar ao plenário da Câmara, o projeto de lei tem que passar por um último obstáculo que pode retardar seu andamento: a garantia de um funcionário do Senado de que o texto atende às regras que lhe permitiriam sair do Senado com voto majoritário.

"Vamos seguir trabalhando nessa legislação importante até que isso seja possível", prometeu o líder da maioria democrata no Senado, Chuck Schumer.

Ainda que a Câmara de Representantes aprove o projeto de lei esta semana, seu caminho a percorrer será acidentado, visto que o Senado proporá novas redações e possivelmente não irá votá-lo antes de dezembro ou inclusive janeiro.

- frear o gasto -

Por um lado, os progressistas das duas câmaras impulsionam um programa nacional de licença maternidade remunerada e uma expansão maior dos serviços de saúde, embora os últimos dados da inflação possam prejudicar estes esforços.

Por outro lado, o senador pela Virgília Ocidental Joe Manchin, que se posicionou como o maior obstáculo da bancada democrata para que a legislação chegue à mesa de Biden, informou ser contrário à licença maternidade, um dos pontos mais populares do pacote.

Além disso, Manchin defendeu que os democratas deveriam frear os gastos até que a inflação esteja sob controle.

"Nossa lei 'Build Back Better' ajudará a impulsionar o crescimento econômico no longo prazo através de um crescimento maior da produtividade e da mão de obra, e não acrescentará pressões inflacionárias à economia", garantiu em um comunicado a vice-presidente, Kamala Harris, em resposta a este argumento.

ft/md/lm/rsr/mvv/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos