Lei da Anistia: Marina Silva muda de opinião mais uma vez

Marina Silva, candidata à Presidência da República pelo PSB

Marina Silva (PSB) surgiu, no início da disputa eleitoral, como possível ameaça às campanhas presidenciais de Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB). A um mês do primeiro turno, a pessebista ganhou força e já é realidade na disputa, vencendo o segundo turno em todas as pesquisas até agora divulgadas. Com isso, os adversários foram ao ataque, abordando principalmente as mudanças no programa de governo de Marina.

Agora, Dilma e Aécio ganharam mais um episódio para confrontrar a pessebista. Depois da questão da matriz energética brasileira, que citava a energia nuclear, e da defesa do casamento gay, foi a vez da anistia a torturadores da ditadura entrar em pauta.

Leia também:
Movimento pede Lula no lugar de Dilma nas eleições 2014
Marina afirma não se sentir pressionada por Malafaia
Pesquisas indicam segundo turno Dilma x Marina: e agora, Lula?



Em artigo publicado na Folha, em 2008, Marina Silva foi clara ao dizer que "a tortura é crime hediondo, não é ato político nem contigência histórica. Não lhe cabe o manto da Lei da Anistia". Os anos passaram, as alianças também, e agora a candidata do PSB tem outra opinião.

Na sabatina realizada pelo portal G1, na última quarta-feira (3), Marina mostrou seu novo posicionamento: é contra rever a lei.