Lenovo diz que escassez global de chips persiste

·1 min de leitura

Por Brenda Goh

XANGAI (Reuters) - A chinesa Lenovo, maior fabricante mundial de computadores pessoais (PCs), disse que uma escassez global de chips persistirá no primeiro semestre do ano que vem, após reportar nesta quinta-feira aumento de 65% no lucro do segundo trimestre.

A empresa disse que foi capaz de superar o mercado garantindo maior fornecimento de componentes do que seus concorrentes, mas reconheceu que a escassez de chips está "causando atrasos no atendimento de pedidos e fornecimentos pendentes em PCs, smartphones e servidores".

O presidente-executivo, Yang Yuanqing, disse à Reuters que sua previsão anterior de que a falta permaneceria sem solução pelo menos até o primeiro semestre de 2022 não mudou. "A escassez é impulsionada pela forte demanda, principalmente no setor de TI e no setor de veículos elétricos", disse.

A Lenovo manteve o título de maior fornecedora mundial de PCs em remessas, embora seu crescimento tenha desacelerado após cinco trimestres consecutivos de crescimento de dois dígitos, disse a consultoria de pesquisa Gartner. No terceiro trimestre, a sua participação de mercado global cresceu 1,8%, a 23,7%.

A empresa informou que o lucro para o trimestre encerrado em 30 de setembro atribuível aos acionistas saltou para 512 milhões de dólares, contra 310 milhões de dólares no mesmo período do ano anterior.

A receita cresceu 23%, para 17,9 bilhões de dólares, um pouco acima de uma estimativa média de 17,3 bilhões de dólares de 9 analistas, de acordo com dados da Refinitiv.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos