Letalidade violenta e roubos voltam a crescer em Niterói

Três dos quatro tipos de crimes considerados indicadores estratégicos para o planejamento da segurança pública e que vinham em queda ao longo deste ano registraram aumento em Niterói, no mês de setembro, de acordo com os últimos dados divulgados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP).

Patrimônio: Em Niterói, roubos de rua e a comércios preocupam

Golpes: Casos de estelionato sobem 123,5% em Niterói

Entre os indicadores estratégicos em alta estão letalidade violenta, roubo de rua e roubo de veículos. Apenas roubo de carga apresentou queda em setembro, em comparação com o mesmo mês do ano passado, com uma redução de quatro para dois casos.

Em setembro passado, o número de registros de letalidade violenta em Niterói saltou de seis para 13 casos, um aumento de 116%; os roubos de rua aumentaram de 109 para 125, ou seja, 14,6% no período; e os roubos de veículos cresceram 68%, com 22 ocorrências em setembro de 2021 e 37 em setembro de 2022.

Outro crime que não é um indicador estratégico mas vem chamando a atenção da população e das autoridades pelo crescimento de casos nos últimos meses e que continua em alta é o roubo a estabelecimento comercial. Em setembro deste ano, o aumento de ocorrências foi de 300%, com 12 registros contra três no mesmo período do ano anterior.

Em nota, a Secretaria de Estado de Polícia Militar destaca que, no acumulado do ano, entre janeiro e setembro de 2022, em comparação com o mesmo período de 2021, todos os indicadores estratégicos registraram reduções, algumas muito expressivas.

“Essa tendência de queda se verifica tanto nos indicadores estratégicos de crimes contra a vida (letalidade violenta) quanto nos indicadores de crimes contra o patrimônio, incluindo os roubos a estabelecimentos comerciais. Vale ressaltar que variações pontuais de alta, observadas na comparação mês a mês, são analisadas pelas áreas de inteligência e planejamento do 12º BPM (Niterói), servindo de base para ações voltadas para manter a trajetória de queda da incidência criminal”, diz a nota.