Leticia Sabatella celebra disco novo e 'libertação' com grupo musical: 'minha voz estava infantilizada'

·3 minuto de leitura

Leticia Sabatella nem lembra da última vez que se apresentou para um público presencial com a Caravana Tonteria, seu projeto musical com Paulo Braga (piano), Zéli Silva (baixo acústico), Fernando Alves Pinto (serrote) e Daniel D'Alcântara (serrote e percussão).

— Não me lembro, mesmo. Parece que a pandemia iniciou uma outra era. Foi tanta coisa que veio na frente. Não sei se foi em São Paulo ou em algum festival. Não lembro... — diz a atriz e cantora, depois de algum esforço.

A pequena temporada que eles fazem a partir desta quinta-feira (15) no Teatro Prudential deve, no entanto, ficar na memória. O grupo apresenta "Caravana Tonteria", disco de estreia lançado nesta quinta pela Biscoito Fino. Nas quatro noites até domingo (18), Leticia Sabatella e companhia levam para o palco músicas do álbum como releituras de "Sabiá", "A rã" e "Geni e o zeppelin", além de composições autorais. Leticia diz curtir a versatilidade da banda, que passeia por gêneros, como o tango e o jazz.

— Na gravação do álbum, entrou o trompetista e ficou uma coisa mais jazzística, mas tem músicas minhas mais populares, com uma cara mais MPB. Já tocamos em lugares de jazz, em festivais de teatro, em feiras populares no nordeste. A "Caravana" tem uma sofisticação e ao mesmo tempo uma simplicidade que é de uma delicadeza muito bacana. E uma afinação de um elenco que se adora, é um vinculo de irmandade entre a gente — conta.

O projeto, que começou há cerca de 5 anos, ajudou a artista a se libertar de alguma maneira. Ela conta que, durante uma fase da vida, estava sentindo sua voz reprimida. Sua atuação na minissérie "Hoje é dia de Maria" (2005), que teve produção musical de Tim Rescala, ajudou a atriz a recuperar sua voz. Mas foi na "Caravana" que ela se "potencializou":

— Eu passei por um período da minha vida onde minha voz não estava tão potencializada. Emocionalmente falando, e é até uma questão psicológica, minha voz estava até infantilizada. Como uma mulher que tivesse reprimido muita coisa, muita potência. Quando fiz "Hoje é dia de Maria", recuperei uma coisa da minha formação de atriz. A música veio da minha infância, da minha mãe cantando diariamente comigo. Cresci no Teatro Guaíra, construído pelo meu avô, em Curitiba, vendo óperas e concertos. Quando me casei e vim para o Rio, tentamos levar o casamento nos moldes convencionais do patriarcado, tinha o meu trabalho como atriz, minha filha... — lembra a atriz, que conclui: — Era um momento que eu queria ir para o teatro cantando. No processo de "Hoje é dia de Maria", eu já estava recuperando essa força vocal. Com a "Caravana", eu tinha que me valer do que eu tinha de recurso, me valer da atriz para cantar e da cantora para falar. Olha que louco?

Letícia está escalada para viver a imperatriz Tereza Cristina em "Nos tempos do Imperador", próxima novela das 18h que tem previsão de estreia para o dia 8 de agosto. Escrito por Thereza Falcão e Alessandro Marson, o folhetim de época estava programado para estrear em março de 2020, mas pandemia interrompeu o planejamento.

- No início da pandemia, ouvi do produtor da novela que aquela hora era hora de cuidarmos das nossas famílias e que eles iam estudar a melhor maneira de voltar. Isso foi muito legal. Ninguém saiu de férias, todo mundo saiu com uma responsabilidade de se cuidar para voltar. É um trabalho que tem exigido muito de mim, muita pesquisa, muito jogo de cintura. É um elenco maravilhoso - conta a artista.

Ouça o disco da Caravana Tonteria:

Serviço: Teatro Prudential. Rua do Russel 804, Glória (3554-2934). Qui a sáb, às 20h. Dom, às 19h.A partir de R$ 25 (pelo Sympla). Não recomendado para menores de 12 anos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos