Lewandowski mantém veto a partidos para financiar campanhas de aliados com recursos do fundão

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou um pedido dos partidos União Brasil, PL, PP e Republicanos — principais integrantes do Centrão — para que fosse permitido o repasse de recursos do Fundo Partidário e do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) entre candidatos a deputado federal, estadual e senadores de siglas diferentes. A decisão do ministro é liminar, e foi dada nesta quinta-feira.

Veja mais: TSE cria grupo de trabalho para o enfrentamento à violência política nas eleições

Malu Gaspar: PT decide acionar TSE contra Bolsonaro e PL por irregularidades em convenção

O ministro entendeu que, caso autorizasse os repasses, estaria permitindo a volta das coligações, hoje proibidas para as candidaturas proporcionais.

Na prática, o que os partidos queriam é que as legendas que façam parte de uma mesma coligação majoritária (ou seja, para governador ou para presidente, por exemplo) pudessem repassar recursos do fundo para candidatos proporcionais (deputados federais e estaduais).

Processo eleitoral: Bolsonaro diz ao TSE que ataques ao sistema eleitoral em reunião com embaixadores são 'debate de ideias'

Articulação: Em reunião com Fachin, Valdemar Costa Neto diz que atuará para distensionar relação de Bolsonaro com TSE

Neste ano, o fundo eleitoral terá R$ 4,9 bilhões a serem distribuídos pelos partidos. O intuito das legendas é fazer com que os candidatos e governador consigam apoiar e conseguir apoio dos deputados e senadores de todos os partidos que estão na coligação pra governo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos