Lição da Itália para o Brasil é 'agir imediatamente' contra coronavírus, diz assessor do governo italiano

Daniel Gulllino
Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino

O médico Walter Ricciardi, assessor do Ministério da Saúde da Itália e representante do país na Organização Mundial da Saúde (OMS), afirma que a lição que o seu país tem para passar ao Brasil no combate ao novo coronavírus é "agir imediatamente".

Ricciardi também critica a estratégia do isolamento vertical, já defendida pelo presidente Jair Bolsonaro, dizendo que isso "subestima o impacto da epidemia em vidas humanas".

Leia também

A Itália é o mais país com mais mortes causadas pela Covid-19: mais de 17 mil. Mesmo assim, na semana passada Bolsonaro minimizou as mortes no país europeu, ao dizer que um "estudo" havia demonstrado que "a maioria das mortes não tem nada a ver com o coronavírus". De acordo com ele, só 12% das mortes na Itália "tem a ver com o vírus, 88% não tem nada a ver".

Apesar de Bolsonaro não ter citado a origem do estudo, sites bolsonaristas (como o Brasil Sem Medo, ligado ao ideólogo de direita Olavo de Carvalho) atribuíram a informação a Ricciardi. Na realidade, ele explicou ao GLOBO, em uma entrevista por e-mail, que o que houve foi uma reavaliação dos casos feita pelo Instituto Nacional de Saúde do país, que mostrou que 88% das vítimas tinham outras doenças, mas não que o coronavírus não tenha impacto nesses óbitos.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

— Todas elas aconteceram em pessoas infectadas pelo Sars-Cov-2, somente 12% foram causadas diretamente pelo coronavírus em vítimas sem outras doenças, os outros casos tinham uma ou mais comorbidades — esclareceu.

Ricciardi, que também é professor de Saúde Pública na Universidade Católica do Sagrado Coração, relata que não está acompanhando de perto a forma como o Brasil que está lidando com o coronavírus. Mas, questionado sobre a estratégia de Bolsonaro de que apenas idosos e integrantes do grupo de riscos deveriam ficar isolados, respondeu:

— Isso subestima o impacto da epidemia em vidas humanas.

Já em relação ao que o Brasil pode aprender com a Itália, ele diz:

— Agir imediatamente e não fazer pouco demais, tarde demais.

O especialista não concorda com aqueles que minimizam a Covid-19 e alerta que milhões podem ser infectados caso medidas não sejam tomadas:

— É muito sério, é um novo vírus, todos são suscetíveis, se (a pandemia) ficar descontrolada poderemos ter milhões de casos e milhares de mortes.

Em relação à Itália, Ricciardi não avalia que o país tenha subestimado o impacto do coronavírus. Ele afirma que as medidas estão fazendo efeito, mas admite que poderiam ter sido tomadas antes.

— Sim, estão fazendo efeitos. Teria sido melhor tomá-las antes.

Sobre um relaxamento das medidas de isolamento, ele afirma que pode acontecer em maio:

— Fazemos uma reavaliação a cada duas semanas. Possivelmente em maio.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.