'Liberdade!' e 'Salto para o desconhecido': imprensa britânica comenta o Brexit

A imprensa britânica dedicou nesta quarta-feira suas manchetes e editoriais ao início do processo de ruptura com a União Europeia (UE), com apelos por unidade e expressões de alívio e também de angústia, dependendo da tendência política

A imprensa britânica dedicou nesta quarta-feira suas manchetes e editoriais ao início do processo de ruptura com a União Europeia (UE), com apelos por unidade e expressões de alívio e também de angústia, dependendo da tendência política.

"Liberdade!", afirma o antieuropeu Daily Mail, com uma foto da primeira-ministra Theresa May no momento da assinatura da carta que dará início ao processo de saída, depois que Bruxelas receber o texto.

A imagem, feita em Downing Street, mostra Theresa May sentada, com uma caneta na mão, sob um relógio que marcava 16H37 e um quadro de Robert Walpole (1676-1745), o primeiro-ministro que mais tempo permaneceu no cargo.

Em um editorial, o Daily Mail faz um apelo: "Neste dia histórico, devemos nos unir pelo Reino Unido".

"O Reino Unido dá um salto ao desconhecido", afirma, no outro extremo, o jornal The Guardian, um dos poucos que não ilustrou a primeira página com a foto de May, e sim com um mapa da Europa em forma de quebra-cabeças no qual faltam as peças do país.

Em seu editorial, o jornal pede a garantia dos direitos dos europeus que moram no Reino Unido e dos britânicos que vivem na UE, ao mesmo tempo que chama a saída de "caminho tenso e incerto que fragilizará a UE e provocará uma década ou mais de instabilidade".

The Sun, também antieuropeu, recorre a um jogo de palavras "Dover & Out", ao invés de "Over and out", com uma fotografia de Dover, o muro que protege o país e limite a partir do qual se estendem o Canal da Mancha e a Europa.

O Daily Telegraph, pró-Brexit, repete o apelo de May ("Unam-se após o Brexit") e em seu editorial dedica "um brinde aos que sonharam com este momento".

"Os olhos da história nos vigiam", afirma o jornal The Times, com uma fotografia de May. Partidário da permanência na UE, a publicação, agora propriedade do magnata Rupert Murdoch, considera em seu editorial que o país se prepara para "atravessar o seu Rubicão".