Libertadores: Rubro-negros correm para trocar passagens compradas antecipadamente para Santiago

Amanda Pinheiro

Após a mudança da sede da decisão da Copa Libertadores, torcedores que compraram passagens antecipadas para ver Flamengo e River Plate em Santiago, no Chile, correram para fazer as trocas a tempo rumo ao destino final: Lima, no Peru.

O casal rubro-negro Guilherme Nunes, de 24 anos, e Mylena Vieira, de 21, chegou cedo no Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão) para garantir a troca das passagens, que foram compradas dois meses antes por um pouco mais de R$ 1.000 com a Latam.

— Compramos dia 31 de agosto, antes da semifinal contra o Grêmio. Infelizmente aconteceu esse imprevisto, mas conseguimos resolver tudo sem nenhum problema — diz Guilherme.

Mas nem tudo foi perfeito. O casal vai enfrentar outro problema: as escalas. o voo inicial previa uma parada em Foz de Iguaçu antes de chegar a Santiago. Agora o trajeto ficou mais longo.

— Vamos para Guarulhos no dia 21, depois ficaremos por 12 horas na Argentina e por fim, chegaremos em Lima — comenta Mylena, que brinca sobre o possível encontro com os argentinos:

— Acho que o pior é ter que viajar ao lado deles e ainda ter que ficar um tempo por lá. Mas não tem problema, pelo mengão vale a pena esse sufoco.

Quem está na mesma situação é o torcedor Diego Lima, de 29 anos. Ele também foi ousado e garantiu as passagens para o Chile desde julho. Com a mudança, a viagem que duraria um dia, vai ser esticada.

— Saio dia 21 e vou para Guarulhos, fico um dia em Montevidéu, em seguida vou para o Chile e aí, chego em Lima — conta ele, garantindo que o cansaço não vai atrapalhar e ainda arrisca um palpite:

— Vai ser 3x0 Flamengo. Do jeito que o time está, não tem para ninguém.

Enquanto no Galeão a situação fluía com tranquilidade para os rubro-negros, no Aeroporto Santos Dumont o cenário mudou um pouco. O estudante Lucas Araújo estava aflito porque conseguiu trocar apenas a passagem de ida, comprada também com a Latam.

— Eu comprei a ida e a volta em dias diferentes. Agora estou com problemas para trocar, porque uma das voltas disponíveis está com escala em Miami e eu não tenho passaporte, nem o visto — conta.

Apesar da tensão Lucas se mantém confiante e desabafa:

— Depois da vitória do Flamengo eu só preciso chegar no Brasil. Não sei como, mas preciso.