Líder do PSL na Câmara provoca: Flávio e Queiroz devem 'preparar um cafezinho para receber a PF'

Delegado Waldir, líder do PSL na Câmara - Foto: Antônio Augusto/Câmara dos Deputados

A ação da Polícia Federal de cumprir mandado de busca e apreensão em um endereço ligado ao deputado federal e presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, nesta terça-feira (15), gerou uma reação do líder do partido na Câmara, delegado Wadir (PSL-GO). À coluna da jornalista Bela Megale no Globo, ele disse esperar que a PF mantenha o ritmo de trabalho e agora visite o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e o seu ex-assessor, Fabrício Queiroz.

“[Os dois] devem preparar um cafezinho para receber a Polícia Federal em breve”, disse o deputado, que vem nos últimos dias criticando os filhos do presidente de forma pública.

Leia também

Para Waldir, se o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, e o presidente do PSL, Luciano Bivar, já foram alvos da PF, então “pela lógica os próximos devem ser Flávio e Queiroz. Ou será que vai ser um tratamento diferenciado?”, questionou o parlamentar.

Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio na Assembleia legislativa do Rio de Janeiro, realizou movimentações suspeitas no valor de RS1,2 milhão, de acordo com investigação realizada pelo Ministério Público.

Delegado Waldir disse que o presidente Jair Bolsonaro já tinha expectativa da ação da PF contra o mandatário do PSL. “Ele [Bolsonaro] já estava esperando a ação da PF contra o presidente do partido. O presidente da República parece ter uma bola de cristal e já estava esperando essa operação. Acho que o Bivar deve ter aguardado os policiais com cafezinho e tapioca", ironizou.