Líder do PT coloca mortes de inocentes nas contas de Moro e Bolsonaro

Fátima Meira/Futura Press

Paulo Pimenta, líder do PT na Câmara dos Deputados, fez duras críticas ao presidente eleito, Jair Bolsonaro, e ao futuro ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. O foco foi na decisão de Bolsonaro de publicar um decreto facilitando a posse e o registro de armas no Brasil.

Para o petista, “as mortes de inocentes pelas mãos de pessoas armadas sem qualquer treinamento e avaliação psicológica, as tragédias em brigas de família e discussões com vizinhos ou no trânsito, estarão na conta de Jair Bolsonaro e Sergio Moro”.

O deputado ainda deixou clara sua visão sobre a atitude. “Qualquer gestor e pessoa minimamente informada sabe que mais armas na sociedade é estímulo à violência e está longe de ser qualquer solução para a segurança pública”, finalizou.

A medida foi anunciada por Bolsonaro por meio de sua conta no Twitter. Mais tarde, o presidente amenizou a situação, esclarecendo que o Poder Executivo tratará da extensão temporal dos registros, mas que “outras formas de aperfeiçoamento” dependerão do Legislativo.

O general Augusto Heleno, escolhido de Bolsonaro para o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), declarou que o decreto do presidente não revogará as exigências já previstas em lei, como, por exemplo, ter boa vista e não possuir antecedentes criminais.