Líderes latino-americanos pedem para Ciro apoiar Lula

Ciro Gomes (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Ciro Gomes (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

Líderes da América Latina pediram, por meio de uma carta aberta, que Ciro Gomes (PDT) desista da disputa para a Presidência da República e apoie o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O documento, intitulado “Carta aberta a Ciro Gomes: o que precisa ser feito para deter Bolsonaro”, foi assassinado por nomes como o do ex-presidente do Equador, Rafael Correa, e pelo argentino Adolfo Pérez Esquivel, ganhador do prêmio Nobel da Paz de 1980.

Os líderes latino-americanos se dizem “perplexos” com a insistência de Ciro em manter sua candidatura ao Planalto em um disputa que classificam como "ponto de virada histórico", informou o jornal O Globo.

Isso porque, na avaliação dos signatários, a eleição deste ano não se resume a uma disputa entre Lula e o presidente Jair Bolsonaro (PL), mas sim "entre o fascismo e a democracia".

"Sabemos que você foi um lutador pelas boas causas do povo brasileiro ao longo de sua vida. É por isso a perplexidade que nos leva a te escrever esta carta e que nos move a te enviar esta mensagem fraterna, porque é incompreensível para nós, na atual situação brasileira, sua insistência em apresentar sua candidatura presidencial para o primeiro turno das eleições presidenciais eleições no Brasil, em 2 de outubro, que sem o menor exagero pode ser considerado um ponto de virada histórico", diz o texto.

"Por quê? Porque a escolha fundamental não será entre Jair Bolsonaro e Luiz Inácio Lula da Silva, mas entre o fascismo e a democracia", continua a carta.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

Qual a data das Eleições 2022?

O primeiro turno das eleições será realizado no dia 2 de outubro, um domingo. Já o segundo turno – caso necessário – será disputado no dia 30 de outubro, também um domingo.

Veja a ordem de escolha na urna eletrônica nas Eleições 2022

  1. Deputado federal (quatro dígitos)

  2. Deputado estadual (cinco dígitos)

  3. Senador (três dígitos)

  4. Governador (dois dígitos)

  5. Presidente da República (dois dígitos)