Lil Nas X volta à cena com clipe ambicioso, cheio de provovações sexuais e religiosas

Silvio Essinger
·3 minuto de leitura

RIO - Artista que surgiu em 2019, aparentemente do nada (ou seja, da viralidade do TikTok) com a canção “Old town road” (um rap-country produzido de forma amadora), o MC americano Lil Nas X, atualmente com 21 anos, se tornou o símbolo de uma nova era na indústria musical: seu hit fez história ao bater o recorde de permanência no número 1 da parada Hot 100 da Billboard (19 semanas), além de ganhar dois Grammys no ano seguinte e, também, as mais incríveis versões.

O mais surpreendente, porém, ainda estava por vir: na noite de quinta, ele lançou “MONTERO (Call me by your name”), canção e vídeo que são o primeiro grande acontecimento pop do ano.

Artista que se revelou gay no auge do sucesso, Lil Nas X deixou definitivamente para trás todo o acanhamento e a precariedade: para a nova e requintada produção musical (que traz uma simulação de áudio tridimensional), ele escreveu uma letra em que relata a submissão ao seu perverso amante. E fez um vídeo com elaborada animação gráfica (parecida com a que o rapper Travis Scott usou em suas lives no Fortnite) e muitas provocações.

Sexo, culpa e religião se misturam nos delírios do vídeo de “Call me be your name” – a referência é essa mesma, o delicado filme “Me chame pelo seu nome” (2017), de Luca Guadagnino, sobre um romance entre um rapaz e um homem mais velho. Com Lil Nas X, a coisa é mais pesada: tem serpente e maçãs, uma cena em que é apredrejado em uma arena por várias cópias de si mesmo, descida em pole dance ao inferno, dança erótica para o diabo e um desfecho inesperado.

No filmete, que o próprio Lil Nas X dirigiu com o ucraniano Tanu Muino, não há pudores – afinal, como o rapper diz em narração, não há o que esconder no universo de Montero (referência ao seu nome de batismo, Montero Lamar Hill). Aliás, ao “Montero de 14 anos”, foi que o rapper endereçou uma carta, compartilhada com seus fãs no Twitter logo que a música foi lançada:

“Compus uma música com nosso nome. É sobre um cara que conheci no verão passado”, escreveu. “Sei que prometemos nunca revelar publicamente, sei que prometemos nunca ser ‘aquele’ tipo de gay, sei que prometemos morrer com o segredo, mas isso abrirá portas para muitas outras pessoas queer simplesmente existirem.”

Na sequência da carta, Lis Nas X adverte: “Você sabe que isso é muito assustador para mim, as pessoas vão ficar com raiva, vão dizer que estou forçando uma agenda. Mas a verdade é que estou. A agenda para fazer as pessoas ficarem longe das vidas das outras pessoas e parem de dizer quem elas deveriam ser. Mando meu amor do futuro para você."

A jogada de "Call me by your name" – que, por seu caráter bombástico e sacrílego lembra as do rapper Kanye West em seus bons tempos – rendeu frutos. No fim da tarde de sexta-feira, o vídeo já se encaminhava para os 4 milhões de views no YouTube. Se os singles que Lil Nas X promete lançar até o meio do ano (quando sai, enfim, seu primeiro álbum) forem do mesmo calibre, o rap deve tremer.