Lira critica Nikolas por discurso transfóbico e diz que Câmara não é palco para exibicionismo

*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL07-03-2023  O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco recebe Ordem do Merito do TSE. Na imagem   Arthur Lira (FOTO  Gabriela Biló /Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL07-03-2023 O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco recebe Ordem do Merito do TSE. Na imagem Arthur Lira (FOTO Gabriela Biló /Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), fez uma reprimenda pública contra o deputado bolsonarista Nikolas Ferreira (PL-MG), que colocou uma peruca e fez um discurso transfóbico no plenário da Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira (8), em ataque a mulheres trans no Dia Internacional da Mulher.

Lira afirmou que o plenário da Casa não é "palco para exibicionismo e muito menos discursos preconceituosos".

"Não admitirei o desrespeito contra ninguém. O deputado Nikolas Ferreira merece minha reprimenda pública por sua atitude no dia de hoje. A todas e todos que se sentiram ofendidas e ofendidos minha solidariedade", escreveu Lira nas redes sociais.

No discurso transfóbico, o deputado disse que mulheres têm perdido espaço para "homens que se sentem mulheres". "Eles estão querendo colocar uma imposição de uma realidade que não é a realidade", afirmou Nikolas.

De peruca, Nikolas ainda disse que o cerne de seu discurso era a "liberdade", por exemplo, de um "pai recusar que um homem de 2 metros de altura, um marmanjo, entre no banheiro junto com a sua filha".

Deputado federal mais votado no Brasil em 2022, Nikolas ainda disse que as mulheres têm perdido espaço para mulheres trans nos esportes e em concursos de beleza. "É uma pessoa que simplesmente se sente algo e impõe para você."

"Então, mulheres, retomem a sua feminilidade, tenham filhos, amem a maternidade, formem suas famílias, porque, dessa forma, vocês colocarão luz no mundo e serão, com certeza, mulheres valorosas", concluiu Nikolas.

Após o fim do discurso, Nikolas foi aplaudido por deputados bolsonaristas, que gritaram "Nicolete", em referência à personagem transfóbica criada pelo deputado.

A deputada federal Tabata Amaral (PSB-SP) disse que entrará, junto com a bancada do partido, com um pedido de cassação do mandato de Nikolas pelo discurso transfóbico no plenário da Câmara.

"Transfobia é crime no Brasil e é importante dizer e convidar outros parlamentares a se somarem que eu, ao lado da bancada do PSB e de muitos outros parlamentares, estou neste momento entrando com pedido de cassação do mandato do deputado Nikolas Ferreira", afirmou.

"Essa é a Casa do Povo e não dá para a gente fingir que nada aconteceu. Para que a gente siga os trabalhos depois dessa fala de um moleque, porque isso não é um homem, é um moleque, que subiu aqui para trazer uma fala cheia de ódio e cheia de preconceito. Exigimos respeito", seguiu a deputada.

A deputada federal Sâmia Bonfim (PSOL-SP) afirmou ainda que a legenda irá entrar com uma notícia-crime contra Nikolas no STF (Supremo Tribunal Federal), assim como irá acionar a Comissão de Ética, "porque quem comete um crime e está no Parlamento merece responder por isso".

"Nada mais típico de um machista desocupado do que fazer isso justamente no dia 8 de março. Tentou fazer ali uma piada sobre aquilo que não tem graça", afirmou Sâmia.