Lira defende punir deputado que incentivou ataque golpista, mas isenta 3 eleitos

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.07.2022 - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.07.2022 - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), defendeu que a Justiça puna parlamentares que tenham incentivado os atos golpistas do último dia 8, mas saiu em defesa de alguns deputados eleitos pelo PL.

Lira disse que conversou com Nikolas Ferreira (PL-MG), Clarissa Tércio (PP-PE) e André Fernandes (PL-CE) e que não viu evidências até o momento contra os três -os dois últimos são alvo de inquérito da PGR (Procuradoria-Geral da República).

"Eu não vi, nos três parlamentares, Nikolas, André e Clarissa, nenhum ato que corroborasse com os inquéritos", afirmou Lira, citando que a investigação usa postagens antigas.

Ele afirmou que não tem informações sobre a deputada Silvia Waiapi (PL-AP), também alvo da PGR por ter feito publicações em apoio aos golpistas.

Por outro lado, defendeu que haja punição no caso do deputado Abílio Brunini (PL-MT), que gravou um vídeo no salão verde da Câmara afirmando que os estragos eram mentira.

"Todos que tiverem responsabilidade vão responder, inclusive parlamentares que andam difamando e mentindo com vídeos dizendo que houve inverdades nas agressões que a Câmara dos Deputados sofreu no seu prédio. Esses deputados serão chamados à responsabilidade", afirmou Lira.

Questionado sobre se Jair Bolsonaro (PL) deve ou não ser responsabilizado pelos atos golpistas, disse que "cada um responde pelo que faz", mas evitou se posicionar favorável ou contrariamente à inclusão do ex-presidente no rol de passíveis de punição.

Lira afirmou que pedirá ao procurador-geral da República, Augusto Aras, que solicite a punição contra aqueles que foram presos e identificados pela polícia legislativa da Câmara, e afirmou esperar que as autoridades de segurança garantam a paz durante a posse dos novos parlamentares do Congresso, no dia 1º de fevereiro.

Lira esteve com a governadora do Distrito Federal, Celina Leão, e o interventor na segurança local, Ricardo Cappelli, em uma visita ao 6º Batalhão da Polícia Militar, que fica em um prédio cedido pela Câmara dos Deputados, bem próximo ao Congresso.

A governadora afirmou que irá dobrar o efetivo do batalhão, para 500 agentes, que dobrará a verba disponível para voluntários -extra que policiais recebem por trabalhar em dias de folga, caso queiram- e que pretende construir uma nova base da PM, maior, na mesma região.

Capelli reforçou que ouviu depoimentos de agentes de segurança que estavam no Congresso dizendo que dentre os invasores golpistas havia aqueles com conhecimento da planta dos prédios oficiais e com conhecimento de táticas de confronto.