Lira diz que conversou com Skaf, da Fiesp, e que manifesto dos empresários será adiado

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BRASÍLIA – O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que o manifesto apoiado pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e que gerou reação contrária dos bancos públicos não deve sair nesta semana.

Lira disse que conversou nesse domingo com Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) e um dos principais idealizadores, e ficou combinado aguardar até o feriado do Sete de Setembro.

— A nota não é da Febraban, é da Fiesp com a participação de mais de 200 entidades do setor produtivo. Virou uma nota da Febraban com reflexos para a Caixa Econômica Federal e para o Banco do Brasil desproporcional aos seus interesses — disse Lira, acrescentando: — Conversei com Skaf neste domingo e, como não tem um prazo para a divulgação do manifesto, ficou combinado que não será nesta semana. Vai aguardar as comemorações do Sete de Setembro.

O feriado vem sendo aguardado por causa das manifestações previstas com ameaças de ruptura às instituições democráticas por parte de apoiadores do governo e do próprio presidente Jair Bolsonaro.

Lira disse não ter conhecimento dos termos do manifesto, mas que não haverá citação do nome do presidente Jair Bolsonaro e que a nota teria como propósito apaziguar o ambiente.

A decisão dos bancos públicos que já teriam comunicado à Febraban a intenção de se desfiliarem da entidade foi antecipada pelo colunista do Globo, Lauro Jardim, e gerou reação no Congresso Nacional por interferência política.

O presidente da comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados, Áureo Ribeiro (Solidariedade-RJ), disse que pretende apresentar requerimento com pedido de explicações ao ministro da Economia, Paulo Guedes, e aos presidentes da Caixa, Pedro Guimarães, e do BB, Fausto Ribeiro.

Segundo uma fonte do governo, o desligamento da Febraban sempre foi um desejo do presidente da Caixa. Conta com a adesão do BB sob argumento de que o manifesto representaria a politização da entidade.

Contudo, o desligamento dos dois bancos da entidade que representa o setor financeiro é analisado com ressalvas por integrantes dos próprios bancos.

Há um entendimento de que a Febraban presta um serviço relevante aos associados e dos exemplos citados é a negociação salarial com os bancários, coordenada pela entidade.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos