Lira reforça que sistema eleitoral é confiável e pede tranquilidade política

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou nesta terça-feira que o país precisa ter "tranquilidade política" nas eleições deste ano. Ele reforçou que o sistema de votação é confiável e garantiu que as instituições estarão funcionando em outubro, durante o pleito.

— Sem o eufemismo de dizer que aquela urna presta, que aquela urna não presta. Eu fui eleito nesse sistema durante seis eleições e não posso dizer que esse sistema não funciona. O sistema é confiável — disse Lira, em evento do banco BTG Pactual em Nova Iorque (Estados Unidos).

Em seguida, ele afirmou que o sistema "precisa de ajustes", sem especificar quais, mas ponderou que "é importante que nós tenhamos tranquilidade política no pleito":

— É importante que nós tenhamos tranquilidade política no pleito, e nós haveremos de ter. As instituições brasileiras são fortíssimas, elas funcionam plenamente.

Bolsonaro tem feito uma série de investidas contra a confiabilidade do sistema eleitoral. No final de abril, ele afirmou que o seu partido, o PL, vai contratar uma empresa para fazer uma auditoria nas eleições deste ano.

Em ocasiões anteriores, o presidente chegou a dizer que houve fraude na disputa de 2018, quando foi eleito, mas nunca apresentou qualquer prova que sustentasse sua fala.

No pronunciamento, Lira disse, ainda, que partidos de centro têm exercido papel de "moderação nacional" e assumiram "uma responsabilidade muito forte no equilíbrio dos extremos, na polarização política e nas dificuldades de convivência".

Lira também declarou que essas siglas de centro, na opinião dele, foram responsáveis por manter o equilíbrio no país.

— No Brasil, entre um extremo e o outro tem o centro. E o centro regulador da política nacional é o que mantém o equilíbrio do Brasil — disse.

E acrescentou:

— Nós sempre priorizamos e lutamos para que os poderes se autocontenham, para que fiquem restritos às suas esferas institucionais para que o Brasil funcione plenamente como democracia estável, como democracia forte, com instituições fortes e que tenham um encaminhamento, de qualquer que seja o pleito eleitoral, o resultado do pleito deste ano de 2022, o Brasil saiba exercer o seu papel de protagonismo mundial.

No discurso, Lira defendeu um apoio mais explícito do governo à reforma administrativa, em tramitação na Casa. Para o presidente da Câmara, houve uma 'refluição' dos governistas em relação a essa pauta por se tratar de ano eleitoral:

— Temos que entregar a reforma administrativa, que está pronta na comissão, mas que precisa de um apoio mais explícito do governo.

Ele afirmou que cobra "semanalmente" os senadores a darem andamento ao texto da reforma tributária, que está parado por falta de acordo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos