Lira repudia assassinato de petista e defende paz para escolhas políticas

*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 20.06.2022 - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 20.06.2022 - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), soltou nesta segunda-feira (11) nota em que repudia qualquer ato de violência, sobretudo motivado por manifestações políticas, e na qual defende paz para que todos possam fazer suas escolhas nas eleições.

Lira foi uma das últimas autoridades a se manifestar sobre a morte do petista Marcelo de Arruda na noite de sábado (9), em Foz do Iguaçu (PR), pelo policial penal bolsonarista Jorge José da Rocha Guaranho.

Na nota, ele não menciona diretamente o ataque que resultou na morte de Arruda, como fez o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MD), e mesmo o presidente Jair Bolsonaro (PL), que disse que dispensa o "apoio de quem pratica violência contra opositores" --apesar de ter atacado a esquerda na mesma manifestação.

"A Câmara dos Deputados repudia qualquer ato de violência, ainda mais decorrente de manifestações políticas", diz a nota divulgada por Lira. "A democracia pressupõe o amplo debate de ideias e a garantia da defesa de posições partidárias, com tolerância e respeito à liberdade de expressão."

"A campanha eleitoral está apenas começando. Conclamo a todos pela paz para fazer nossas escolhas políticas e votar nos projetos que acreditamos. Esta é a premissa de uma democracia plena e sólida, como a nossa", concluiu.

De acordo com testemunhas, Arruda comemorava seu aniversário quando Guaranho passou de carro e gritou: "aqui é Bolsonaro". Houve discussão, e o policial penal disse que voltaria. Diante disso, o petista foi ao carro e pegou sua arma, também de acordo com os relatos.

Pouco tempo depois, o bolsonarista retornou. Um vídeo mostra o momento em que ele invade o local, e atira contra Arruda, que também dispara.

Guaranho, que está internado após também ser baleado por Arruda, se define como conservador e cristão. Ele usa as redes sociais principalmente para defender o presidente Jair Bolsonaro (PL), se diz contra o aborto e as drogas e considera arma sinônimo de defesa.

Em junho de 2021, ele aparece sorrindo em uma foto ao lado do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), filho do mandatário. "Vamos fortalecer a direita", escreveu em 30 de abril numa corrente da "#DireitaForte" para impulsionar perfis de conservadores com poucos seguidores.

No domingo, políticos de diferentes partidos, autoridades e figuras públicas repudiaram o crime.

Os pré-candidatos à Presidência Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Ciro Gomes (PDT) e Simone Tebet (MDB) foram às redes neste domingo (10) para lamentar o ocorrido, assim como o provável vice de Lula, Geraldo Alckmin (PSB), deputados, senadores e presidentes de partidos.

Entre apoiadores do presidente, geralmente ativos nas redes, o silêncio sobre o caso tem sido predominante. Os filhos do presidente, Flávio Bolsonaro (PL-RJ), que é senador, Eduardo Bolsonaro (PL-SP), deputado federal, e Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), vereador no Rio de Janeiro, fizeram publicações relacionadas a outros temas, como a candidatura do pai ou críticas a Lula e ao PT.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos