Lira tem sido colaborativo e pode compor base de Lula, diz líder do PT

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.11.2022 - O líder do PT na Câmara, deputado Reginaldo Lopes (MG). (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.11.2022 - O líder do PT na Câmara, deputado Reginaldo Lopes (MG). (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O líder do PT na Câmara, deputado Reginaldo Lopes (MG), 49, afirma não haver incoerência ou obstáculo para que Arthur Lira (PP-AL) integre a futura base de sustentação de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O atual presidente da Câmara foi um dos principais apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL), mas agora ensaia trocar de barco como forma de consolidar a sua reeleição ao cargo, em fevereiro.

Afirmando que o PT caminha para não ter candidato, Lopes diz que Lira tem adotado uma postura "extremamente colaborativa". "Arthur Lira sempre tem viabilizado e tentado contribuir com os governantes, com os presidentes."

PERGUNTA - O sr. defende que o PT faça uma aliança com Arthur Lira?

REGINALDO LOPES - Eu tenho defendido que o PT tenha uma pauta legislativa, que vai ao encontro do programa vitorioso do presidente Lula, e que o partido apresente essa pauta para os candidatos a presidente da Câmara.

O próprio Lula tem dito que as disputas da Câmara e do Senado são uma questão interna das Casas e que cabe às bancadas do PT [no Congresso] conduzir esse processo.

O PT vai ter candidato?

RL - Caminha para não ter candidato. O partido compreende que o mais importante neste momento é estabelecer parcerias na Câmara que deem a Lula governabilidade. Essa governabilidade se dará a partir de uma pauta pública, transparente, que represente os anseios do povo brasileiro para esses próximos quatro anos.

P. - Qual é o cerne dessa pauta?

RL - Primeiro, evidente, é viabilizar o governo de 2023. O Orçamento que foi enviado pelo governo atual tem furo em vários ministérios, em várias ações das políticas públicas. É impossível governar com a proposta orçamentária que veio.

O que nós estamos construindo nesse primeiro momento é apoio para tramitação e aprovação da PEC da Transição. Essa PEC permite ao presidente Lula honrar o compromisso do Bolsa Família de R$ 600 e também o apoio às famílias que têm mais crianças.

O presidente Lula, nos debates e na sua campanha, deixou muito explícito que é preciso resolver o problema da fome; e valorizar o salário mínimo para a economia voltar a crescer.

Também resolver a carência de recursos no Ministério da Educação para várias iniciativas, entre outras ações.

P. - Qual foi a receptividade de Arthur Lira a essas ideias?

RL - Uma postura extremamente colaborativa. O presidente Arthur Lira reafirmou sua trajetória política de 30 anos, que sempre foi republicana, comprometida com os interesses do país.

E reafirmou ali [encontro entre Lula e Lira, em Brasília, em 9 de novembro] o que ele manifestou na noite da eleição, reconhecendo imediatamente a vitória do presidente Lula. Disse que a partir desse reconhecimento ele entendia que é muito legítimo que aquilo que foi vencedor nas urnas possa ser viabilizado ainda nesta legislatura, e que ele era um colaborador dessa agenda.

P. - Que formato de PEC o sr. defende que seja aprovado?

RL - Por princípio, e não estou falando em nome do governo, acho que o Brasil deveria modernizar a sua legislação fiscal. Trazer para as metas fiscais o debate sobre as metas sociais. Acho que transferência de renda deve ser um princípio que, tanto nas atuais como nas futuras regras fiscais, deveria ficar de fora [do teto de gastos].

Nós temos quatro regras fiscais: meta primária, regra de ouro, Lei de Responsabilidade Fiscal e o teto de gastos. Acho que o presidente Lula pode debater no próximo ano unificar em uma única regra, mais moderna, e que possa ter previsibilidade e credibilidade.

P. - O que o sr. achou da reação do mercado às declarações de Lula sobre a política fiscal? Eu não compreendi. O presidente Lula repetiu o que ele tem defendido desde a criação da regra do teto de gasto. Por que se tornou inviável e em seu segundo ano já foi alterado?

RL - Porque o Brasil perdeu o controle da inflação, teve um aumento da despesas obrigatórias, que ocupou o espaço das despesas discricionárias.

Então, se essa regra não for revista ou se não abrir uma excepcionalidade igual o Bolsonaro abriu três vezes, você para o país. Você vai ter o professor recebendo salário, mas não vai ter energia, água, insumos na saúde etc.

O mercado precisa ter essa compressão e essa sensibilidade. A menos que todo mundo ache normal um dos países que mais exportam alimentos no planeta deixar as pessoas morreram com fome, deixar 10 milhões de crianças dormir com fome; ou que a universidade não pague conta de luz, de água.

P. - A PEC da Transição será um laboratório do que vai ser a futura base de Lula no Congresso?

RL - Sim, parte dela. Temos duas grandes tarefas. A primeira, ajustar o Orçamento a partir dos desejos manifestado pelo povo brasileiro nas urnas. A segunda, já na nova legislatura, consolidar uma base sólida que dê ao presidente Lula quatro anos de governabilidade.

P. - Essa base sólida é possível sem o centrão e Lira?

RL - Parte dos políticos que compõem o centro ou o centrão sempre são muito sensíveis às manifestações populares, às manifestações das ruas. Eu acredito que é possível que parte desses parlamentares vote pontualmente em algumas propostas do governo ou tenha um reposicionamento e componha em definitivo a base do governo do presidente Lula.

P. - O sr. vê alguma incoerência ou obstáculo em Lira fazer parte dessa base?

RL - Eu acredito que não. Arthur Lira sempre tem viabilizado e tentado contribuir com os governantes, com os presidentes. Fez assim no passado, com a própria presidenta Dilma [Rousseff], e ajudou muito o governo do Bolsonaro.

P. - O que ele pediu em troca desse apoio?

RL - Nada. Ele falou que via no gesto do presidente Lula o diálogo. Ou seja, eu também concordo com o presidente Arthur Lira. Lula reinaugurou uma nova fase na República brasileira, que é o respeito às instituições, aos Poderes, às lideranças.

Quando, antes de apresentar o projeto [da PEC], ele procura o presidente da Câmara dos Deputados, depois procura presidente do Senado, o Supremo, o Tribunal Superior Eleitoral, isso demonstra como o presidente Lula estabelece uma nova relação da democracia brasileira -que é uma relação de respeito e de muito diálogo. Isto derruba qualquer dificuldade de governabilidade.

É bom lembrar que a primeira fotografia que o presidente Lula buscou no momento em que ele decidiu ser candidato foi a fotografia de um antigo adversário, o governador Geraldo Alckmin [vice eleito]. Ele sinalizava ali que queria ser presidente de um amplo movimento que pudesse reconstruir o Brasil e reafirmar os valores da democracia.

P. - Qual é a diferença do PT de 2003 para o PT de 2023?

RL - É um partido mais maduro, mais calejado, um partido que sabe que não pode errar em nada. Que precisa fazer mudanças mais estruturantes do que foi feito no passado e avançar ainda mais.

É evidente que o Brasil tem ainda alguns desafios do passado. Por exemplo, é muito rico para deixar algum brasileiro passando fome. Isso é inaceitável.

A gente pode melhorar muito mais ainda no próximo governo. O próprio presidente Lula sabe disso, que se ele fizer igual ou empatar, ele perde o jogo. Ele precisa fazer mais do que já fez no passado.

Raio-X

Reginaldo Lopes, 49 Economista, é deputado federal por MG desde 2003. Líder da bancada do PT na Câmara dos Deputados, é autor do projeto que deu origem à Lei de Acesso à Informação