Lira vai remover área de jornalistas na Câmara para se instalar no local

DANIELLE BRANT, RANIER BRAGON E THIAGO RESENDE
·2 minuto de leitura
BRASILIA, DF,  BRASIL,  04-02-2021, 20h00: O presidente da câmara dos deputados Arthur Lira (PP_AL) chega para reunião com o Ministro da Economia Paulo Guedes no ministério da economia. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
BRASILIA, DF, BRASIL, 04-02-2021, 20h00: O presidente da câmara dos deputados Arthur Lira (PP_AL) chega para reunião com o Ministro da Economia Paulo Guedes no ministério da economia. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), decidiu autorizar obras para transferir o gabinete da presidência da Casa para o local onde atualmente ficam os jornalistas que acompanham as atividades do Legislativo.

Com a mudança, Lira pode se livrar de ser abordado pela imprensa, pois terá acesso direto ao plenário da Câmara.

Hoje, ele precisa passar por uma área de circulação de jornalistas e representantes da sociedade que frequentam a Câmara -o chamado Salão Verde. Quando passam por essa área, os presidentes da Casa são geralmente questionados sobre pauta de votações, decisões polêmicas e demais fatos políticos.

Esse é mais um ato unilateral de Lira, que assumiu o comando da Câmara na semana passada, quando ele dissolveu o bloco partidário adversário e convocou novas eleições para cargos na mesa diretora.

A área atualmente usada por profissionais da imprensa é do arquiteto Oscar Niemeyer.

Lira ressuscitou um projeto do ex-presidente Eduardo Cunha (MDB-RJ). A obra no local envolve a instalação de um elevador para cadeirantes no gabinete.

A mudança também chegou a ser discutida quando o PT comandou a Câmara, mas não avançou.

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) só deu aval à obra durante a gestão de Cunha. O emedebista pretendia realizar a reforma, mas acabou afastado e preso acusado pela Operação Lava-Jato de receber propina por contratos com órgãos públicos e da Caixa Econômica Federal.

"A intervenção, como foi concebida, não apresenta riscos de descaracterização do edifício e se restringe basicamente à reorganização e redistribuição interna de diversos ambientes de trabalho, conferindo mais clareza à organização e distribuição dos ambientes internos do edifício, não havendo nenhuma alteração, seja na volumetria do edifício, suas fachadas ou obras de arte integradas", afirma o Iphan.

A ideia de Lira é transferir a sala de imprensa para outro andar. Desde que venceu a eleição, na semana passada, o presidente da Câmara tem demonstrado resistência à abordagem de jornalistas.

Lira foi eleito no primeiro turno com ajuda do governo Bolsonaro, que distribuiu cargos e emendas para partidos aliados em troca do apoio ao candidato alinhado ao Palácio do Planalto.