Lisa Marie Presley sepultada no Jardim da Meditação de Elvis em Graceland

Graceland, a famosa mansão de Elvis Presley, foi palco este fim de semana das cerimónias fúnebres da única filha do cantor norte-americano.

Lisa Marie Presley morreu a 12 de janeiro, aos 54 anos, vítima de paragem cardiorrespiratória, e foi agora sepultada no Jardim da Meditação, mandado construir por Elvis na respetiva propriedade como local de reflexão e entretanto transformado em mausoléu da família, uma das casas mais famosas e visitadas dos Estados Unidos.

Ali repousam Elvis Presley (1935-1977), os pais dele (Gladys, 1912-1958, e Vernon, 1916-1979), a avó Minnie Mae Hood (1890-1980), o neto Benjamin Keough (1992-2020) e agora a única filha.

A mãe, Priscila Presley, leu um poema escrito pela filha aos convidados da cerimónia privada, deste domingo, na qual estiveram diversos amigos próximos de Lisa Marie, incluindo alguns que quiseram homenagear a também cantora com algumas canções.

Foram os casos de Billy Corgan, dos Smashing Pumpkins, que interpretou "To Sheila", Axl Rose, dos Guns'N'Roses, que entoou ao piano "November Rain", ou Alanis Morissette, que cantou "Rest".

No exterior da mansão, milhares de pessoas juntaram-se para uma derradeira despedida a Lisa Marie Presley, no Jardim da Meditação de Graceland.

AP Photo/John Amis
Milhares de pessoas passaram este domingo pelo Jardim da Meditação de Graceland - AP Photo/John Amis

A única filha de Elvis ficou sepultada ao lado do filho, Benjamin Keough, que morreu há dois anos.

A cerimónia deste domingo ficou ainda marcada pela revelação de Riley Keough, a filha mais velha de Lisa Marie, de que Elvis já seria bisavô. "Espero que possas amar a minha filha como me amaste, como amaste o meu irmão e as minhas irmãs", ouviu-se na mensagem de Riley lida pelo marido Ben Smith-Petersen.

Lisa Marie Presley foi ainda mãe de duas gémeas, Finley e Harpe, no seu segundo casamento, com Michael Lockwood, guitarrista conhecido por ter trabalhado com Aimee Mann e Fiona Aple.