Livinho é acusado de racismo por modelo: "Me xingou de todos os nomes"

Modelo não entendeu participação do cantor no manifesto (Foto: Reprodução/Instagram/@livinho)

Livinho participou do “Blackout Tuesday” (terça-feira de apagão, em inglês), um protesto às mortes de negros pela polícia, mas foi acusado de racismo pouco tempo depois. A modelo Raielli Leon foi quem contou em seu Instagram que teria sido xingada e desrespeitada pelo cantor na gravação de um clipe em 2017.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentários.

Ela disse que o vídeo foi gravado em um sítio com nove modelos negras e dez brancas. Fã de Livinho, a moça estava empolgada e se produziu para o evento, mas percebeu logo no início que o cantor não foi com a sua cara.

“Não sei o que passou na cabeça dele, porque não tem como a gente saber o que se passa na cabeça de uma pessoa racista, idiota, escrota, mas ele começou a fazer umas dancinhas idiotas, obscenas, virando para o meu lado, pegando no saco, imitando o Michael Jackson, como se estivesse sarrando”, inicia Raielli.

Leia também

Segundo a modelo, o pior aconteceu quando Livinho tirou o celular do bolso e colocou no cabelo dela. Em seguida, disse que foi roubado. “Tirei a mão dele e falei: ‘Para com isso, sai fora’. Tentei continuar dançando, todo mundo que estava no momento começou a rir. Satisfeito, porque ele queria aparecer, repetiu a brincadeira por mais duas vezes. Colocou a mão no meu cabelo e falou que estava espetando, catou o anel e colocou no meu cabelo, falou que roubei”, recorda a dançarina.

Raielli diz que ninguém a defendeu e Livinho não percebeu que estava passando dos limites. Após ser convidada para pular na piscina, a moça o chamou de idiota, mas o cantor não se importou. “Ele perguntou se eu não queria pular na piscina para ver se ia molhar (o cabelo). Pegou no meu braço e foi me jogar. Eu estava inconformada. Não tinha intimidade com ele, não dei liberdade para fazer brincadeiras comigo. Muito menos isso, que para mim não é brincadeira”, explica.

No vídeo publicado no Instagram, a modelo diz que dias depois foi convidada para outro clipe do artista, mas disse ao seu produtor que só iria se Livinho se desculpasse e parasse com essas “brincadeiras”. Foi aí que a história ganhou um novo episódio.

“Ele me xingou de todos os nomes possíveis, falou que era mentira minha, que eu estava inventando, que ia acabar com a minha carreira, que eu devia ter medo do que estava falando e de quem estava brincando. Isso foi só a pontinha de um iceberg que não acaba nunca. Parece que nunca mais vou ter paz na minha vida”, diz ela, que entrou com processo contra o artista.

Depois disso, Raielli diz que sofreu consequências. “Fui cortada de festas, cortada de presença vip, cortada de clipes. A advogada abandonou o processo, disse que ‘perdeu todas as minhas provas’. Depois de tudo que passei, vocês não acham um absurdo a pessoa postar bandeirinha de ‘vidas negras importam’?”, questiona ela.

A resposta do cantor

O desabafo da modelo repercutiu nas redes sociais. Livinho, então, fez uma live para dizer que a situação já foi resolvida com Raielli. Alterado, o funkeiro completou que é “homem para arcar com suas responsabilidades judicialmente”. “Para os meus fãs, estou me retratando e pedindo para vocês terem compreensão para entender o que aconteceu”, disse.

Na sequência, Livinho questionou o desabafo da moça e a acusou de querer fama. “Quer dar fama para a mina? Dá fama para a mina. Mas por que a mina não está levantando a bandeira do movimento dela? Ela está jogando uma situação que já foi resolvida. Só me responde isso, mano. Eu não vou tirar o meu bagulho porque sou contra o racismo, contra o preconceito. Já sofri e ainda sofro”, emendou.