Livreiros lançam campanha pela valorização das lojas físicas

O Globo
·1 minuto de leitura
Divulgação
Divulgação

RIO — Com os impactos da pandemia, as livrarias físicas tiveram uma queda média de 40% nas vendas em relação ao ano passado, perdendo espaço para o comércio online. Com o sinal de alerta ligado, um grupo de representantes de mais de 120 pontos de venda do país lança nesta quinta-feira, 12, a campanha nacional #tudocomeçanalivraria. A ideia é usar a hashtag nas redes sociais para que o público poste suas experiências nas livrarias, e demonstrem o protagonismo destes estabelecimentos na relação com os livros. Para os dias 11, 12 e 13 de dezembro, está prevista uma "super sexta", com descontos para quem comprar nas livrarias físicas. A campanha conta com o apoio da Câmara Brasileira do Livro (CBL), da Associação Nacional de Livrarias (ANL) e do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL).

— As livrarias e editoras vão poder usar essa hashtag e uma logomarca em todas as suas comunicações sociais. Com elas também vamos organizar concursos e promoções e distribuir prêmios — diz Rui Campo, sócio da Livraria da Travessa.

A campanha pretende reforçar a imagem das livrarias como ponto de conexão entre livreiros, autores, editores, distribuidores e leitores. Ainda que o e-commerce tenha sido essencial para manter o fluxo de vendas das editoras, as empresas sentiram a falta dos estabelecimentos físicos para os seus lançamentos, explica o presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL), Vitor Tavares.

— As livrarias ainda são a grande vitrine para os lançamentos — diz Tavares. — A resposta não tem sido a mesma com o e-commerce, porque só os algoritmos não bastam. As editoras sabem o quanto o papel do livreiro profissional é importante e por isso essa campanha também é do interesse delas.