Liz Truss é nomeada primeira-ministra britânica e Boris Johnson deixa cargo

Liz Truss se reúne com rainha Elizabeth

Por William James e Kate Holton e Elizabeth Piper

LONDRES (Reuters) - A rainha Elizabeth nomeou Liz Truss como primeira-ministra britânica nesta terça-feira, encarregada de conduzir o país através de uma recessão iminente e uma crise de energia que ameaça o futuro de milhões de famílias e empresas.

Truss, a quarta primeira-ministra conservadora em seis anos, voou para a casa escocesa da família real para ser convidada pela monarca de 96 anos para formar um governo. Ela substitui Boris Johnson, que foi forçado a deixar o cargo após três anos tumultuados no poder.

"A rainha recebeu hoje em audiência a ilustre deputada Elizabeth Truss e pediu-lhe para formar uma nova administração", disse o Palácio de Buckingham em comunicado.

Truss enfrentará uma das listas de problemas mais assustadoras de qualquer líder do pós-guerra no Reino Unido, à medida que a inflação atinge dois dígitos, o custo da energia dispara e o Banco da Inglaterra alerta para uma longa recessão até o final deste ano.

Seu plano de impulsionar a economia por meio de cortes de impostos e, ao mesmo tempo, fornecer cerca de 100 bilhões de libras (116 bilhões de dólares) para limitar os custos de energia já abalou os mercados financeiros, levando investidores a abandonar a libra e os títulos do governo nas últimas semanas.

Johnson, que tentou se agarrar ao poder em julho apesar da demissão em massa de ministros devido a uma série de escândalos, disse a repórteres e políticos reunidos em Downing Street nesta terça-feira que chegou a hora de o país se unir.

"É isso pessoal", disse Johnson em seu discurso de despedida. "O que eu digo aos meus colegas conservadores, é hora da política acabar, pessoal. É hora de todos nós apoiarmos Liz Truss, sua equipe e seu programa."

Johnson usou seu discurso de despedida para se gabar de seus sucessos, incluindo um programa de vacinas precoce durante a pandemia de coronavírus e seu apoio inicial à Ucrânia na batalha contra a Rússia.

Ele também listou "entregar o Brexit" como uma de suas principais conquistas, embora as pesquisas agora mostrem que a maioria das pessoas acha que deixar a União Europeia foi um erro.