Locutor denuncia ataque racista durante manifestação por apoiadores de Bolsonaro no DF

O locutor Alex Sandro Soares, mais conhecido como Alex Blau Blau, de 45 anos, denunciou ter sido alvo de ataques racistas próximo ao Quartel General do Exército, no Distrito Federal, durante manifestações por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro no início da tarde desta quarta-feira.

'Divergências políticas': Universidade Federal do Amapá vai apurar recusa de professora a orientar alunos que votaram no Lula

Após eleições: Canais bolsonaristas retiram do ar mais de 4 mil vídeos no YouTube

Através das redes sociais, Alex relatou que fotografava para um trabalho de fotojornalismo da faculdade quando um homem teria se aproximado do veículo em que estava junto da esposa e passado a provocá-lo. Segundo o locutor, ele chegou a pedir que o respeitasse, mas o pedido não adiantou. Além das agressões e xingamentos, seu veículo também ficou danificado pelos manifestantes.

— Fui agredido com socos, chutes, bateram, fizeram meu carro de bateria de escola de samba. Fui xingado, injuriado, chamado de "macaco", de "baleia". "Sai daqui seu porco gordo" — relembrou o locutor da Rádio Metrópoles, através de um vídeo publicado no seu Instagram.

Após o episódio, Alex compareceu a 3ª Delegacia de Polícia (Cruzeiro), onde registrou um boletim de ocorrência. Segundo a Polícia Civil, o caso será investigado.

Em nota, a Abraji afirmou que está "monitorando diversos relatos de profissionais de imprensa (repórteres, cinegrafistas e fotógrafos) que têm denunciado hostilização e ataques durante a cobertura dos protestos antidemocráticos, organizados por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL)".

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo "condena as ações que buscam impedir a imprensa de exercer o seu trabalho de informar a população e exige que as autoridades públicas e agentes de segurança tomem ações urgentes para garantir condições seguras para o exercício do jornalismo".

Em comunicado, a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT), a Associação Nacional de Editores de Revistas (ANER) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ) repudiam os atos de violência, ameaças e hostilidades contra os profissionais da imprensa por parte de manifestantes.