Loja que barrou delegada negra em Fortaleza alega que ela estava sem máscara

·2 minuto de leitura
Delegada Ana Paula Barroso foi barrada ao tentar entrar em loja de shopping em Fortaleza (Foto: PCCE/Divulgação)
Delegada Ana Paula Barroso foi barrada ao tentar entrar em loja de shopping em Fortaleza (Foto: PCCE/Divulgação)
  • Delegada foi barrada quando tentava entrar em uma loja da Zara no Shopping Iguatemi, em Fortaleza

  • Ela afirmou que foi vítima de racismo do segurança responsável por impedir sua entrada

  • A loja, porém, garante que a abordagem se deu porque a mulher estava sem máscara

A delegada negra barrada por um segurança em um uma loja de Fortaleza estaria sem máscara no momento da abordagem do funcionário. Foi o que garantiram os representantes da Zara, em comunicado divulgado pelo UOL.

Na última terça-feira, (14), a diretora-adjunta do Departamento de Proteção aos Grupos Vulneráveis da Polícia Civil do Ceará, Ana Paula Barroso, foi impedida de entrar na Zara do Shopping Iguatemi, na capital cearense. Ela acusou de racismo o segurança que a barrou.

Leia também:

Na ocasião, segundo a delegada, o funcionário alegou “questões de segurança” para abordá-la. Questionado sobre quais seriam essas questões, ele desconversou.

De acordo com a Secretaria de Segurança do Ceará, a delegada denunciou o caso e, por isso, autoridades requisitaram imagens das câmeras de segurança do local. A loja, no entanto, se recusou a fornecer as gravações.

Mulher estaria sem máscara - Foto: Getty Images
Mulher estaria sem máscara - Foto: Getty Images

Na noite do último domingo (19), a Polícia Civil teve autorização da Justiça para apreender o equipamento, o que aconteceu na segunda (20).

"Ainda serão ouvidas algumas testemunhas, dentre elas, dois seguranças e uma testemunha que estava dentro da loja e presenciou todo o constrangimento passado pela vítima. Após todas essas oitivas, ao final, será ouvido o suspeito do fato", explicou a delegada Anna Nery, da Delegacia de Defesa da Mulher, ao UOL.

Ana Paula estaria tomando um sorvete

Em contato com o UOL, a assessoria de comunicação da Zara garantiu que o procedimento do segurança aconteceu porque Ana Paula tomava um sorvete no momento em que tentava entrar na loja e, por isso, não estava usando máscara, desrespeitando os protocolos de combate à Covid-19.

Ainda segundo a Zara, o funcionário explicou isso à delegada e pediu que ela colocasse o equipamento, ao que ela respondeu demonstrando-se ofendida. Logo depois, teria deixado o local.

Em nota, o Shopping Iguatemi afirmou estar colaborando com as investigações e que “não compactua com quaisquer formas de discriminação ou demonstrações de preconceito racial".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos