Lojistas esperam alta de 18% nas vendas com Black Friday mais próxima do Natal

PAULA SOPRANA
*ARQUIVO* BELO HORIZONTE, MG, 23.11.2018: Loja na rua Curitiba, em Belo Horizonte, durante primeiro dia da Black Friday em 2018. (Foto: Flávio Tavares/Jornal Hoje em Dia/Folhapress)

As vendas da Black Friday devem subir 18% este ano com a proximidade do Natal. A expectativa da ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico) é de que as lojas faturem R$ 3,45 bilhões, acima dos R$ 2,92 bilhões de 2018.

Com esse valor, a taxa persegue a do crescimento anual do ecommerce nacional.

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

BAIXE O APP DO YAHOO FINANÇAS (ANDROID / iOS)

Programada para a sexta-feira (29), a data ficará seis dias mais próxima do Natal em relação ao ano anterior, o que deve impactar o varejo, segundo Mauricio Salvador, presidente da associação.

"Um ou dois dias mais próximos já fazem diferença. Neste ano, estimamos que um terço das vendas sejam antecipações das compras natalinas", diz.

Leia também

A projeção para o ticket médio é de R$ 340 e a maior alta deve se concentrar nos setores de informática, celulares e eletrônicos, moda e acessórios e casa e decoração.

De acordo com a Black Friday, a região Sudeste deve movimentar R$ 1,9 bilhão este ano, o que representa 59% do faturamento total. A organização, no entanto, lida com uma expectativa diferente, de R$ 3,15 bilhões, 21% acima do movimentado em 2018.

Lideram a lista de produtos mais procurados os smartphones (37%) e eletrodomésticos (36%), seguidos de televisores (29%), informática (24%) e móveis e decoração (22%).

Conforme a data se consolida como uma das principais do ecommerce, cresce a cautela entre consumidores, mais vacinados contra fraudes. Pesquisa da Yourviews realizada com 600 lojas diz que a consulta por avaliações de produtos deve crescer 32%. 

Apesar de maior maturidade dos consumidores e das marcas, que põem na balança o risco da reputação em forjar descontos, especialistas alertam que é preciso manter a desconfiança com ofertas exageradas e redobrar a atenção com a segurança digital nesse período.

DICAS PARA NÃO CAIR EM GOLPE NA BLACK FRIDAY:

Compare preços

A média de descontos oferecida pelas lojas é de 20% a 30%, de acordo com a ABComm. Mesmo que parte do varejo use a data para fazer queima de estoque de coleção, como vestuário, ofertas acima de 70%, por exemplo, devem ser encaradas com desconfiança. É possível checar a evolução de preços de um produto em sites como Black Friday de Verdade, Google Shoppping, JáCotei, Buscapé e Zoom.

Cheque a reputação das marcas

É comum que lojas que aumentam preços dias antes da Black Friday ou que atrasam muito a entrega de um item tenham sido alvo de reclamação passada. O Reclame Aqui é uma fonte adequada para conferir o histórico de uma marca. Já o Procon-SP tem uma lista de mais de 300 sites a serem evitados.

Prefira o site da loja e não a oferta das redes sociais

Para não cair em phishing —páginas ou links falsos que visam o roubo de informações— especialistas recomendam que a compra seja feita no site do varejista e não em folders enviados por emails ou circulados em correntes de WhatsApp.

Uma das formas mais simples de detectar phishing é pela presença de erros ortográficos nas peças gráficas. Antes de inserir qualquer dado financeiro, consumidores devem se atentar aos nomes dos sites.

O endereço eletrônico das lojas Americanas ou da Riachuelo, por exemplo, não terão nomes diferentes das marcas ou a presença de números.

Sites com "https" têm a conexão criptografada, portanto são mais seguros.

"Há muito golpe no Instagram e no Facebook. Anúncios como 'compre seu iPhone 11 por R$ 2 mil em dez vezes' são feitos para roubar informação", diz Bruno Prado, da UPX Technologies, de segurança digital.

Ele sugere a verificação da origem de aplicativos baixados no Google Play e na Apple Store. "Se o desenvolvedor do app for uma pessoa física, é provável que seja falso."

É importante, também, verificar comentários sobre o aplicativo antes de fazer o download.

Evite wi-fi público

Uma recomendação básica para efetuar compras online é evitar a conexão wi-fi de lojas e outros espaços públicos, como aeroportos, restaurantes e praças. A alta movimentação de transações digitais em datas comerciais é um chamariz para invasores, que interceptam a conexão para roubar dados financeiros.

Faça a compra de seu próprio dispositivo

Além de usar a rede de dados própria, não insira informações de cartões de crédito ou débito, bem como endereço e outros dados pessoais em computadores, tablets ou celulares de terceiros.

Opte por cartões virtuais

Grandes bancos e fintechs disponibilizam a criação de cartões de crédito virtuais que podem ser eliminados após compras online. Com informações financeiras descartadas após a transação, agentes mal intencionados não conseguem usar os dados para novas aquisições.

Especialistas também lembram que o cartão de crédito permite o cancelamento da compra diante de eventual problema, processo muito mais difícil em compras por boletos ou quitadas no débito.

Compre com cautela

Apesar de a data coincidir com o recebimento do 13º salário, uma das formas de evitar futuras dívidas e compras por impulso é criar uma lista com itens desejados. É ideal que o consumidor tenha um teto de gastos para a sexta-feira.