De Londres a Lagos, a jornada de um motociclista nigeriano contra a polio

Kunle Adeyanju, de 44 anos, saiu de Londres em 19 de abril, percorreu mais de 13 mil quilômetros de moto e atravessou 13 países, até chegar no domingo (29) a Lagos, capital econômica da Nigéria, seu país de origem.

Seu objetivo: captar fundos para a ONG Rotary International e apoiar a luta contra a poliomielite, doença muito contagiosa, erradicada desde 2020 no continente africano graças à vacina, mas que ainda é uma ameaça.

"Estou cansado, porque tenho dormido 3 a 4 horas por noite.  Mas estou orgulhoso por ter superado este desafio" disse à AFP.

Escoltado por vários motociclistas desde a fronteira com Benin, Kunle Adeyanju foi recebido com entusiasmo por dezenas de pessoas na sede do Rotary em Ikeja, bairro de Lagos.

Com o perfil "LionHeart", o motociclista relatou sua jornada nas redes sociais e explodiu em popularidade.

- 100 mil seguidores -

Adeyanju posou com habitantes e autoridades locais em Togo, Benin, Gana e Senegal e também em países considerados perigosos como Mali e Burkina Faso, locais de insurreições jihadistas.

No Mali, um de seus pneus furou. "Eu nem sequer falava o idioma. Mas as pessoas me ajudaram", disse.

Na Mauritânia, ao contrário, teve centenas de euros roubados: "a pior experiência".

Sua conta no Twitter tinha somente três seguidores quando foi criada, em dezembro de 2021. Agora tem cerca de 100 mil e o comentário do presidente da rede social: "obrigada por compartilhar esta viagem inspiradora com o mundo inteiro através do Twitter", escreveu em meados de maio Parag Agrawal.

- Paralisia irreversível -

Desde que a Nigéria erradicou oficialmente este vírus em 2020, o Paquistão e Afeganistão são os únicos dois países do mundo onde a poliomielite segue endêmica.

"O Rotary International batalha pela erradicação da polio no mundo há 20 anos" explica Delight Sunday-Anicho, presidente do Rotary Club de Ikoyi, em Lagos, que cederá suas funções ao motociclista a partir de julho.

A vacina foi criada nos anos 1950, mas era inacessível para países pobres da África e Ásia, até a importante mobilização das últimas décadas.

Kunle Adeyanju, que foi operador logístico da Shell na Nigéria, conta que se lançou nesta aventura com seus próprios recursos --19 mil euros-- em memória de um "amigo de infância" que foi infectado pelo vírus.

"Nós praticávamos esportes, mas ele não podia se mexer. Só ficava olhando".

A poliomielite provoca uma paralisia irreversível e pode causar a morte. Apesar de seu vírus circular de forma endêmica em alguns países, milhares de crianças estão ameaçadas em todo o mundo.

Com esta viagem, Kunle Adeyanju -que já escalou duas vezes o Kilimanjaro- espera captar para o Rotary 20 milhões de nairas, cerca de 48 mil dólares.

aml/cma/jhd/me/mb/jc

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos