Longas filas de aposentados em frente a bancos na Argentina

Aposentados fazem fila em frente a um banco durante quaretena contra o novo coronavírus (COVID-19) em Buenos Aires em 3 de abril de 2020.

Filas longas de aposentados e beneficiários da previdência social se formaram nesta sexta-feira em frente a bancos na Argentina, no primeiro dia de atenção pública exclusiva desde que o isolamento social obrigatório do novo coronavírus foi decretado em 20 de março.

Os aposentados, que integran setor mais vulnerável e com uma recomendação para ficar em casa, também são os mais relutantes em lidar com cartões de débito e é muito comum que prefiram sacar dinheiro.

"É uma situação extraordinária e muito complexa. Talvez haja muitas pessoas que tenham passado por outras crises e que tinham medo de não chegar a tempo. Tentamos facilitar o máximo possível. Não esperávamos um fluxo tão grande de público", disse Alejandro Vanoli, chefe do Administração do Seguro Social para o canal de notícias da TN.

Diante da aglomeração repetida em diferentes partes do país, as autoridades do Banco Central anunciaram que as entidades também abrirão neste sábado e domingo.

Os bancos estão fechados ao público desde 20 de março, quando o presidente Alberto Fernández declarou o isolamento social obrigatório como uma medida preventiva para moderar a curva de contágio exponencial do COVID-19.

Em princípio, a quarentena estará em vigor até 13 de abril. Na Argentina, 1.265 estão infectados, dos quais 37 morreram, segundo o último relatório oficial da manhã de sexta-feira.