Longe de debates, Bolsonaro exalta Paulo Guedes no SBT

Foto: Reprodução/SBT

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) concedeu entrevista exclusiva na noite desta terça-feira ao SBT. O presidenciável adotou um tom muito mais moderado do que o que marcou sua trajetória política e pregou pacificação.

Bolsonaro não se aprofundou em temas econômicos e, novamente, deixou claro que o economista Paulo Guedes irá se dedicar ao tema em seu governo. No entanto, ele pregou que não pretende aumentar impostos e que todos —inclusive os mais ricos— estão “sufocados”.

Ele também elogiou alguns de seus principais conselheiros como o astronauta Marcos Pontes. Ele também desmentiu que seu vice defendeu o fim do décimo terceiro. “Ele só criticou a estrutura remuneratória nossa era uma jabuticaba. Uma força de expressão. O que houve foi um excesso de da imprensa”, diz.

Ele também foi questionado pelo excesso de militares trabalhando em seu plano de governo. “Temos civis sim. O que acontece é que alguns estão esperando o resultado das eleições para não sofrer retaliações. A sociedade irá se surpreender positivamente”, declarou o candidato.

Sobre suas propostas para amenizar os altos índices de desemprego, Bolsonaro novamente disse que pretende ouvir o economista Paulo Guedes para tomar medidas que ajudem a aumentar a oferta de emprego. Atualmente, mais de 13 milhões de brasileiros sofrem com a falta de ocupação. O candidato ainda disse que “o brasileiro está sufocado” e que pobres e ricos estão na mesma situação.

Questionado sobre violência, Bolsonaro pregou a valorização dos policiais, mas não apresentou nenhum plano concreto além do “excludente de ilicitude” que livra agentes de segurança pública de processos por mortes cometidas durante o trabalho. Ele também revelou que indicaria alguém como juiz Sérgio Moro para o STF.

Ele também garantiu que irá fazer um governo marcado por privatizações. “Vamos partir para privatizações. Queremos diminuir o estado, mas vamos manter estatais em setores que consideramos estratégicos”, explicou.

Em reunião com WhatsApp, conselho do TSE apresenta iniciativas para reduzir fake news na eleição
 Haddad diz que Cid dará ‘declaração explícita’ de apoio a ele
Governo Bolsonaro não será de maioria de militares, diz presidente do PSL

Carlos Nascimento também falou sobre as impressões que o mundo tem tido sobre o candidato. Citou, inclusive, que ele é apontado um candidato de extrema direita que flerta com o fascismo. “Isso precisa ser desmistificado. Não sou nada disso. Esses rótulos que me colocaram durante a minha trajetória não correspondem a realidade”, argumentou.

Alegando limitações físicas, Jair Bolsonaro não confirmou presença em nenhum debate até o momento. Apesar disso, o candidato do PSL tem cumprido agenda de campanha, participando de encontros e concedendo entrevistas.

Nesta terça-feira, o SBT foi notificado pela justiça sobre o pedido da  coligação “O Brasil Feliz de Novo” de Fernando Haddad (PT) para que entreviste o candidato petista caso seu adversário não compareça ao debate da emissora marcado para esta quarta-feira (17).  Os advogados da candidatura petista argumentaram que Bolsonaro só aceita falar sozinho e prefere se esconder nas redes sociais a debater frente a frente com Haddad.

Nesta quarta-feira, Bolsonaro e Haddad trocaram farpas nas redes sociais. O petista citou o apoio da organização racista Ku Klux Klan a Bolsonaro e irritou o adversário que o chamou de poste. Bolsonaro também disse não aceitar o apoio da organização racista cujo líder David Duke afirmou que o vê “como um igual”.