Longevidade: pesquisadores de Harvard apontam 4 padrões alimentares para viver mais

Pesquisadores da Universidade de Harvard, uma das mais prestigiadas no mundo, classificaram quatro das principais dietas com base em sua eficácia na redução do risco de morte prematura. Foram elas: O índice de Alimentação saudável, desenvolvido pelo governo dos Estados Unidos como o padrão dietético oficial do país, o Índice Alternativo de Alimentação Saudável, desenvolvida pela universidade, a dieta mediterrânea e a vegana.

Atos de vandalismo: entenda o que influencia o comportamento das multidões

Combate e prevenção do câncer: vacina experimental destrói tumores cerebrais existentes e reduz recorrência

Segundo os pesquisadores, a conclusão foi que uma dieta balanceada, rica em grãos integrais, frutas, vegetais, nozes e legumes, é melhor para a longevidade do que excluir totalmente os produtos de origem animal.

O índice de Alimentação saudável, que rastreia se as pessoas seguem as diretrizes nutricionais básicas dos EUA, enfatizam alimentos saudáveis à base de plantas, desaprovam carne vermelha e processada e desencorajam o consumo de açúcar adicionado, gorduras não saudáveis e álcool. As pessoas que seguem essa métrica de dieta tiveram um risco 19% menor de morrer por qualquer causa.

1% menor do que o Índice Alternativo de Alimentação Saudável, criado pela Harvard, e que segundo o estudo reduziu o risco de morte dos participantes em 20%.

Já as pessoas que seguiram uma dieta mediterrânea, que inclui vegetais, frutas, nozes, grãos integrais, legumes e peixe, reduziram o risco em 18%. A dieta vegana também previne a morte precoce, porém em menor porcentagem, ficando em torno dos 14%.

Os participantes que aderiram aos vários padrões de alimentação saudável também tiveram um risco menor de morrer de câncer, ataques cardíacos, derrames ou doenças respiratórias.

Como a pesquisa foi realizada

Os resultados são baseados em uma pesquisa realizada com mais de 100 mil homens e mulheres que foram acompanhados por 36 anos. Os participantes foram convidados a preencher um questionário dietético de dois a quatro anos, que mostrava se eles estavam seguindo padrões alimentares saudáveis, como a dieta mediterrânea ou comendo alimentos à base de plantas.

Aprenda as técnicas: aquecimento dinâmico é a melhor opção para o pré-treino

Eles também foram pontuados usando o Índice de Alimentação Saudável dos EUA e o Índice Alternativo de Alimentação Saudável, que dão pontuações com base na frequência com que uma pessoa come alimentos saudáveis e não saudáveis.

Os pesquisadores desenvolveram uma pontuação de dieta para cada participante usando os dados sobre hábitos alimentares.

Controlando fatores externos, como histórico familiar, fumo e bebida, eles determinaram o risco de mortalidade por todas as causas a cada ano que uma pessoa sofre com base em sua dieta.

Eles descobriram que os participantes que pontuaram mais no Índice Alternativo de Alimentação Saudável reduziram seu risco de mortalidade por todas as causas. Embora as dietas à base de plantas ainda tenham benefícios, tornar-se vegano não é tão eficaz quanto uma dieta saudável típica que mistura carnes e laticínios.

“Estes padrões dietéticos destinam-se a fornecer conselhos dietéticos baseados na ciência que promovem a boa saúde e reduzem as principais doenças crônicas”, explicou Frank Hu, autor correspondente do estudo e nutricionista na Universidade de Harvard.

Índice de Alimentação saudável

O governo dos Estados Unidos desenvolveu o Índice de Alimentação Saudável como o padrão dietético oficial do país. Definida pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a dieta gera uma pontuação de zero a 100 com base em quantas frutas, vegetais, grãos integrais, laticínios e frutos do mar uma pessoa consome a cada 1.000 calorias ingeridas.

Como emagrecer? caminhando ou correndo na esteira

Comer 0,8 xícaras de frutas, incluindo sucos e derivados, 0,4 xícaras de frutas inteiras, 1,1 xícaras de vegetais e 0,2 xícaras de verduras e feijões para cada 1.000 calorias ingeridas daria a alguém uma pontuação perfeita nessas categorias.

O USDA também recomenda pequenas porções ao dia de grãos integrais, laticínios e proteína para atingir a pontuação perfeita de 100.

Trabalhando com base nas diretrizes oficiais estabelecidas em 2015, Harvard desenvolveu um índice alternativo que se concentra mais no total de porções ingeridas diariamente.

Você é workaholic? vício em trabalho tem novas definições; saiba como identificar riscos

O Índice Alternativo de Alimentação Saudável exige cinco porções de vegetais diariamente, quatro porções de frutas, cinco a seis de grãos integrais, pelo menos uma porção de proteína de nozes ou tofu e comer peixe regularmente. Esta dieta pode ser pontuada em uma escala de zero a 110.