Los Angeles fecha parque para remover acampamento de moradores de rua

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As autoridades de Los Angeles, na Califórnia, fecharam um parque na cidade para remover um acampamento de moradores de rua que existe no local, segundo informações publicadas pelo Independent. Centenas de pessoas habitavam o Echo Park Lake, o que deixou a liderança da cidade em um dilema: cada vez mais moradores pedem ruas limpas e seguras enquanto a quantidade de quem não tem casa aumenta. Segundo o site britânico, o vereador democrata Mitch O'Farrell, que confirmou nesta quinta-feira (25) o fechamento temporário do parque para veículos e pedestres, disse ter havido quatro mortes no local no ano passado. "As instalações do Echo Park se transformaram em um lugar muito perigoso para todos lá: overdoses de drogas, agressões sexuais e físicas, líderes autoproclamados tributando indivíduos sem-teto e vendedores, abuso de animais, famílias sem abrigo durante o clima frio e tiroteios no último outono [no hemisfério Norte, primavera no Brasil], onde um morador de rua foi baleado na perna por membros de uma gangue enquanto crianças estavam por perto", disse o vereador, em comunicado, conforme publicação do Independent. A interdição do parque, porém, gerou confusão. Nesta quarta (24), as cercas ao redor da área começaram a ser instaladas para que o acampamento pudesse ser desmanchado e placas colocadas informavam que o fechamento começaria nesta quinta e que todos os itens pessoais deveriam ser retirados da área, "incluindo, mas não se limitando a, tendas, cadeiras, mesas, mochilas, bolsas e objetos e itens pessoais". A medida levou centenas de manifestantes, entre moradores de rua e ativistas, a protestarem. Houve confronto com policiais durante a noite, segundo relata o site britânico. Fotos e vídeos mostram agentes tentando empurrar manifestantes enquanto garrafas eram jogadas na direção das forças de segurança. Em um certo momento, ainda de acordo com o Independent, vários policiais chegaram ao parque com equipamento anti-motim para conter o protesto e foram recebidos sob gritos. "Por que você está usando equipamento anti-motim? Não vejo motim aqui!" O chefe da polícia de Los Angeles, Michael Moore, afirmou que os moradores de rua que já estavam no acampamento poderiam passar a noite lá, mas seriam obrigados a sair em 24 horas. Alguns manifestantes encararam a declaração como uma vitória, segundo o Los Angeles Times. "Ganhamos a noite", gritou um organizador. "Eu moro aqui e considero a notie de hoje uma vitória", acrescentou um morador do local. Por volta de 1h25 desta quinta, o ato havia sido dispersado. Em um comunicado, a polícia de Los Angeles disse que a manifestação foi "em grande parte pacífica" e que não foi usado gás lacrimogêneo para dispersar o ato. Um manifestante foi preso sob a acusação de não cumprir ordens de um policial, acrescentou o comunicado, de acordo com o site britânico. "Após expressar seus direitos da Primeira Emenda [da Constituição americana], todos os manifestantes deixaram a área voluntariamente", disse a polícia. Ativistas têm criticado a liderança da cidade por remover o acampamento sem avisar com antecedência suficiente para que as pessoas pudessem encontrar outro lugar para dormir. O prefeito, Eric Garcetti (democrata), disse nesta quarta que, embora houvesse cerca de 120 barracas no parque, havia apenas cerca de 19 pessoas vivendo no acampamento quando o local foi fechado. As autoridades também divulgaram que houve um prejuízo estimado de US$ 500 mil (R$ 2,8 milhões) no parque devido ao acampamento. Ainda não há data para a reabertura ao público. Segundo comunicado de O'Farrell, isso depende de uma avaliação de danos e da conclusão dos reparos necessários para que uma autorização possa ser emitida.