Low carb ou jejum intermitente: Qual é a melhor dieta?

Luiza Belloni

A low carb e o jejum intermitente são os programas de emagrecimento da vez — ainda mais às vésperas do verão brasileiro. Seguidas principalmente por quem busca rápida perda de peso, as duas dietas ainda suscitam dúvidas e reações negativas.

Apesar de serem eficientes para o emagrecimento a curto prazo, tais dietas têm diferentes estratégias e, claro, distintos pontos negativos. Entenda a seguir:

Low carb e jejum intermitente: como funcionam?

As dietas têm efeitos similares. Com a redução da ingestão de calorias, ocorre a diminuição da insulina e do açúcar no sangue. Assim, promove-se a cetose, ou seja, priva-se o corpo de carboidratos ou calorias em geral, para que ele busque a próxima fonte de energia — que é a gordura. 

A low carb limita o consumo de carboidratos em até 130 gramas por dia. Além de dar preferência às proteínas, vegetais e gorduras, a dieta retira quantidades de carboidratos de alto índice glicêmico, que podem dar pico de açúcar no sangue.

A dieta é diferente da cetogênica, que permite somente 30 gramas de carboidratos por dia, e diferente também da dieta Dukan, que basicamente prioriza proteínas e gorduras. Como o nome da low carb sugere, ela é baixa em carboidratos, mas libera frutas, legumes e grãos com índice glicêmico baixo.  

Café da manhã na dieta low carb. 

Já o jejum intermitente propõe suspender a alimentação por um período que pode ser de 12 horas, 14, 16, 18h ou até 24 horas, em dias alternados da semana ou em restrição por tempo. A ideia não é limitar grupos específicos de alimentos, mas sim o tempo para os consumir. 

Nos dias alternados, as pessoas comem normalmente em 4 ou 5 dias da semana e jejuam em 2 dias. Na alimentação restrita por tempo, as calorias também não são restritas, mas a pessoa só pode comer em uma janela de 8, 10 ou 16 horas por dias. Então, se alguém faz jejum de 16 horas, ela só pode comer na janela de 8 horas — mas à vontade. 

A perda de peso é real?

As dietas se popularizaram...

Continue a ler no HuffPost